PJ desmantela grupo de burlões de "clínica espiritual"

Burlões terão convencido vítimas a entregar valores superiores a cem mil euros, para atos de benzedura e purificação

Duas mulheres e dois homens foram detidos "pela presumível prática continuada de crimes de burla qualificada agravada", anunciou a PJ, através do Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada. Os suspeitos terão convencido várias vítimas a entregar valores superiores a cem mil euros, "para atos de benzedura e purificação", tendo abandonado os Açores em seguida.

Os suspeitos são acusados de terem arrendado e publicitado um espaço destinado à instalação de uma "Clínica Espiritual", em Ponta Delgada, diz o comunicado, "alegadamente especializada na resolução de problemas a pessoas em dificuldades". Em seguida, "através de meios enganosos e aproveitando-se do estado de vulnerabilidade de algumas vítimas, levaram-nas a entregar-lhes valores superiores a cem mil euros, pretensamente para atos de benzedura e purificação, fazendo-lhes crer que lhes seriam posteriormente restituídos".

Já com os valores, "abandonaram apressadamente o local e os Açores, lesando-as com gravidade nas suas esferas patrimoniais e deixando-as em situação económica difícil", diz a PJ. Preparavam-se para fazer o mesmo em Évora, ao que tudo indica, e segundo o comunicado, quando foram localizados e detidos.

No âmbito de buscas e revistas efetuadas foi possível recuperar cerca de noventa mil euros em dinheiro e elevada quantidade de artigos em ouro e prata, produto da sua atividade ilícita.

Os detidos, cidadãos estrangeiros com idades compreendidas entre os 18 e os 52 anos, vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.