Parlamento há sete meses à espera de dados do governo

Processo da descentralização está parado à espera que o executivo envie informação pedida pelos deputados em junho

A Assembleia da República pediu ao governo, há já sete meses, informação sobre as várias áreas em que se prevê que haja transferência de competências para as autarquias, mas não recebeu até agora os estudos que foram solicitados. O requerimento dos deputados - com origem no PSD e PCP e que mereceu o voto favorável de todos os partidos - foi aprovado a 6 de junho de 2017 e seguiu para o então ministro-adjunto Eduardo Cabrita (agora na Administração Interna, mas mantendo a pasta da descentralização) dois dias depois.

"A comissão aguarda pelos estudos que foram pedidos ao governo", diz ao DN Pedro Soares, deputado bloquista que preside à comissão parlamentar de Ambiente, onde decorre o processo legislativo da transferência de competências para as autarquias, que António Costa já classificou como a "grande reforma do Estado". O parlamentar diz que o processo "está completamente parado", à espera que o executivo responda às solicitações dos deputados e que dê também entrada à proposta de revisão da lei das Finanças Locais. OPSD diz o mesmo. "Há mais de seis meses que os estudos estão pedidos", sublinha Berta Cabral, vice-presidente da bancada parlamentar social-democrata, acrescentando que "a bola está do lado do governo". Paula Santos, do PCP, refere também ao DN que a documentação pedida - "essencial" para uma decisão - não chegou até agora às mãos dos deputados.

O DN questionou o ministério da Administração Interna sobre o porquê de não ter ainda respondido à solicitação do parlamento, recebendo como resposta que "na sequência do requerido pela Comissão" o governo "entregou, no dia 9 de junho, na Assembleia da República, todos os diplomas setoriais relativos ao processo de descentralização". Mas esta é uma resposta que está muito longe de convencer a oposição, que exige informação técnica, além das propostas do governo. "O que foi solicitado foram os estudos que sustentam os projetos, está bem explícito", argumenta o presidente da comissão, deixando uma pergunta: "Não têm estudos que sustentem aqueles diplomas?". Pedro Soares conclui assim: "Continuamos à espera que chegue a informação pedida". Berta Cabral também questiona a falta de resposta - "Nós pedimos os estudos preparatórios e todos os documentos que estão na base do processo de descentralização. O requerimento tem que ter uma resposta e têm que nos dizer se têm ou não os documentos que estamos a pedir", acrescenta.

O requerimento enviado ao governo em junho pede, de facto, ao executivo que disponibilize, além dos anteprojetos dos 23 diplomas que concretizam a transferência de novas competências para as autarquias, os relatórios e estudos preparatórios que estiveram na base das propostas de descentralização. E pede também que sejam identificados os "meios humanos, técnicos, financeiros e organizacionais" afetos às competências que o governo pretende transferir para o Poder Local, bem como a "identificação de carências" nos serviços a transferir. Um exemplo repetido pelos deputados: os assistentes operacionais das escolas vão passar para a alçada dos municípios e os parlamentares querem saber quantos são; os centros de saúde vão passar para a esfera das câmaras e os deputados querem saber quantos são. O parlamento solicita ainda ao governo que apresente uma "perspetiva de evolução a curto e médio prazo" da descentralização, "estimando o impacto a nível humano, técnico, financeiro e organizacional".

"Estas informações são absolutamente essenciais" para uma tomada de decisão, argumenta Paula Santos. Para a deputada comunista é "fundamental" conhecer os meios humanos e técnicos a transferir. Caso contrário "não estaremos a falar de uma transferência de competências, mas de uma transferência de problemas, de encargos para as autarquias". Também Álvaro Castello-Branco, do CDS, defende que os deputados "não estão neste momento habilitados, não têm informação suficiente para poder tomar decisões". E não poupa nas críticas ao governo: "Há uma grande leviandade numa matéria tão importante, que muda o país".

Na Assembleia da República está atualmente, pendente para aprovação, a lei-quadro da descentralização, uma espécie de lei chapéu que dá cobertura às 23 propostas setoriais. Mas falta ainda uma outra peça decisiva - a proposta de revisão da lei das Finanças Locais. O anteprojeto do diploma já foi enviado à ANMP e à ANAFRE_(freguesias), entidades que estão agora a discutir a proposta com o governo, mas não chegou aos deputados. "O processo está atrasado por causa do governo. Atrasou-se a entregar a lei base, não entrega os estudos que foram pedidos, está atrasado na lei das Finanças Locais. E nós não vamos ceder nisto. Queremos conhecer e analisar a lei das Finanças Locais", sublinha Berta Cabral. Sem isso, não há acordo. E isto num contexto em que o PSD tem surgido como o parceiro preferencial do PS na descentralização, dado que quer o BE, quer o PCP, se têm mostrado muito reticentes às propostas do executivo.

No início desta semana, nas Jornadas Parlamentares do PS, o próprio primeiro-ministro desafiou o "conjunto dos partidos" a avançar para que o processo de descentralização - que o líder do executivo tem qualificado como "a grande reforma do Estado" - fique terminado até ao final da sessão legislativa. Ou seja, no máximo até julho. Evocando os elogios ao papel do Poder Local que se ouviram na última campanha autárquica, Costa deixou o repto: "Que honrem a sua palavra e, na Assembleia da República, deem mais competências às freguesias e aos municípios". Um dia depois foi a vez de Eduardo Cabrita repetir o desafio, exortando os partidos a aprovar as leis da descentralização. Os visados devolvem. "São declarações um bocadinho vazias. Até agora não contribuíram nada para que o processo avançasse", responde Pedro Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?