Marcelo quis sublinhar limite de endividamento porque essa "é uma prioridade"

O Presidente disse que quis referir esta norma para "tornar claro que há um preceito, um artigo do Orçamento que diz: há um limite máximo de endividamento"

O Presidente da República afirmou esta sexta-feira que quis sublinhar que a execução orçamental não pode ultrapassar o limite de endividamento público inscrito no Orçamento do Estado porque a redução da dívida pública "é uma prioridade".

"Eu senti necessidade [de sublinhar esse limite] por uma razão muito simples, porque esse é um ponto que é uma prioridade", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à entrada do Mercado da Ribeira, em Lisboa, questionado sobre a nota que hoje divulgou sobre a promulgação do Orçamento do Estado para 2018.

Nessa nota, o chefe de Estado sublinha que "o limite de endividamento público previsto no artigo 141.º não pode ser ultrapassado pela execução orçamental, a menos que a Assembleia da República venha a alterá-lo, de acordo com a Constituição da República Portuguesa e com a lei".

O artigo 141.º do Orçamento do Estado do Estado para 2018 autoriza o Governo a "aumentar o endividamento líquido global direto" até ao montante máximo de 10,2 mil milhões de euros, "para fazer face às necessidades de financiamento decorrentes da execução do Orçamento do Estado, incluindo os serviços e fundos dotados de autonomia administrativa e financeira". Segundo o mesmo artigo, a este limite "pode acrescer a antecipação de financiamento admitida na lei".

Em resposta aos jornalistas, o Presidente da República disse que quis referir esta norma para "tornar claro que há um preceito, um artigo do Orçamento que diz: há um limite máximo de endividamento".

"Para respeitar aquele limite, isso significa que a execução orçamental não o pode ultrapassar. Como sabemos, para o ultrapassar quer dizer que tem de haver uma alteração ao endividamento nos termos da Constituição e da lei", reiterou.

O valor máximo endividamento líquido global direto inscrito no Orçamento do Estado para 2018 está acima do montante de 9,35 mil milhões euros que ficou definido para o ano de 2017 e que também subiu 440 milhões de euros em relação ao de 2016.

Todos os anos, o Orçamento do Estado inclui um artigo relativo ao financiamento do Estado e à gestão da dívida pública e, desde 2012, o valor máximo de endividamento tinha vindo a diminuir.

O anterior Governo conseguiu autorização para se endividar até um máximo de 13.890 milhões de euros em 2012, até 12,35 mil milhões em 2013, 11,7 mil milhões de euros em 2014 e até 8,6 mil milhões de euros em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.