O Time Out Market é uma verdadeira obra de arte

Júri do galardão, que na Alemanha e na Europa é considerado o Óscar do setor da restauração, justificou a sua escolha pelo Mercado da Ribeira

O Time Out Market (TOM) que está instalado no renovado Mercado da Ribeira, recebeu esta sexta-feira o Hamburg Food Service Award, prémio que é visto como o Óscar europeu da restauração. O galardão deste ano foi anunciado e entregue numa cerimónia que teve lugar em Hamburgo, perante cerca de 500 personalidades da indústria de serviços alimentares da Europa.

"Os criadores do Time Out Market de Lisboa são galardoados com o Hamburg Food Service Award 2018 por terem levado a cabo uma engenhosa revitalização que redefine os padrões internacionais quer da gastronomia quer da organização de espaços. Criaram uma verdadeira obra de arte em Lisboa", foi explicado pelos responsáveis do prémio internacional.

Esta é já a 36.ª edição do Hamburg Food Service Award. Desde 1983 que, todos os anos, este prémio vem distinguindo um restaurante, empresa ou personalidade da indústria alimentar da Alemanha e outro da Europa. Sabe-se agora que a par do prémio europeu de 2018, atribuído ao TOM de Lisboa, o troféu alemão coube à empresa Casual Food, de Frankfurt - que abastece snacks de qualidade a carrinhos e lojas em aeroportos, estações e áreas de serviço.

Para João Cepeda, presidente da marca TOM, a conquista deste prémio é "marca de afirmação do conceito" criado. "Na carta que enviaram a notificar-me do prémio falavam precisamente da importância de, numa altura em que este conceito de food hall se começa a consagrar pelo mundo, esta é a primeira vez que um deles ascende ao terreno que estava, até agora, reservado aos restaurantes", disse.

Os prémios são atribuídos por um painel de especialistas e representantes da indústria de toda a Europa. Ao longo destes 36 anos, entre os distinguidos com este troféu encontram-se personalidades como Sir Terence Conran, conceitos como o Prêt-a-Manger, Vapiano, Wagamama e IKEA (restauração) e grandes grupos como McDonald"s, Migros e Blue Elephant.

O prémio foi criado pelo DFV Mediengruppe, um dos maiores grupos de media especializada em gastronomia e indústria alimentar da Europa, que conta mais de cem títulos, entre os quais a revista Foodservice, publicação líder no mercado de catering profissional de Alemanha, Suíça e Áustria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.