Médicos em greve a 10, 11 e 12 de abril

Decisão foi tomada "face à incapacidade do Ministério da Saúde em garantir os diversos compromissos já assumidos", diz a FNAM

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) decidiu este sábado realizar uma greve nacional a 10, 11 e 12 de abril, para a qual procurará o envolvimento de todas as associações médicas, disse à agência Lusa fonte da estrutura.

Está também prevista uma manifestação em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa, a 10 de abril.

A estrutura vai agora procurar o apoio do Fórum Médico, uma plataforma que reúne todas as associações médicas, afirmou João Proença, o novo presidente da comissão executiva da FNAM, no final de uma reunião do Conselho Nacional, em Coimbra.

A decisão foi tomada "face à incapacidade do Ministério da Saúde em garantir os diversos compromissos já assumidos", lê-se num comunicado emitido no final do encontro.

Entre as reivindicações da FNAM está a revisão da carreira e das grelhas salariais dos médicos, tendo por base o regime das 35 horas semanais.

O descongelamento imediato da carreira médica e a devida progressão salarial, bem como o propósito de dar um médico de família a todos os cidadãos estão igualmente entre as propostas defendidas pela estrutura representativa dos médicos.

Os médicos pretendem também a abertura de concursos anuais, a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido, a separação progressiva dos setores público e privado, além do limite do trabalho extraordinário anual para 150 horas, "em igualdade com toda a outra função pública".

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".