Médicos e farmacêuticos pedem regras restritas nos suplementos alimentares

As duas ordens pedem ao Ministério da Saúde para intervir no circuito e na publicidade dos suplementos com nova legislação

A Ordem dos Médicos e a Ordem dos Farmacêuticos emitiram uma declaração conjunta onde apelam ao Ministério da Saúde que intervenha na área dos suplementos alimentares. Uma intervenção que teria de ser a nível legislativo, quer em termos de publicidade quer nas regras aplicadas ao circuito.

Na sequência da polémica associada à publicidade ao suplemento calcitrin, que levou a Ordem dos Farmacêuticos a interpor uma providência cautelar contra a publicidade associada, as duas ordens anunciaram que já denunciaram à Entidade Reguladora da Saúde as práticas enganosas aos suplementos de cálcio.

Os organismos alertam ainda a população que estes suplementos apenas devem ser usados depois de um aconselhamento prévio com profissionais de saúde, até porque pode haver problemas para a saúde pública.

"As necessidades de suplementação variam de pessoa para pessoa e dependem da sua condição de saúde/doença, pelo que os utentes devem aconselhar-se com um profissional de saúde previamente à toma de suplementos, para saber se são adequados à sua situação em particular", escrevem. Os dois bastonários, José Manuel Silva e Carlos Maurício Barbosa, recordam que o uso de suplementos, como os do cálcio, pode inclusivamente ser prejudicial à saúde.

No caso em questão, do calcitrin, referem que "uma quantidade elevada de cálcio ou vitamina D poderá ser prejudicial à saúde em muitos indivíduos. O consumo sistemático de suplementos de cálcio pode aumentar o risco de obstipação e transtornos gastrointestinais, doenças cardiovasculares e pedras no rim.

Criticando a incitação comercial para o consumo sem regras destes produtos, as duas ordens recomendam antes que se adote um estilo de vida saudável e uma alimentação equilibrada. "Uma alimentação variada proporciona a quantidade de cálcio necessária ao organismo humano e a simples exposição de braços e pernas ao sol durante 20 minutos por dia, entre Abril e Setembro, permite obter a dose de vitamina D necessária para todo o ano."

Além de condenarem todas as práticas publicitárias que visem induzir o consumo de Suplementos Alimentares ou de quaisquer outros produtos que possam interferir na saúde dos portugueses, as Ordens dos Farmacêuticos e dos Médicos informaram que se vão manter "atentas à forma como os produtos classificados como Suplementos Alimentares são apresentados aos portugueses."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?