Médicos alertam para "colapso" da maternidade Bissaya Barreto

Clínicos consideram que a situação "é alarmante, muito grave" e que existem "graves riscos para a saúde das mulheres e das crianças"

A maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, está à beira do colapso assistencial face àquilo que a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) diz ser a "incomportável escassez de meios" naquela unidade de saúde.

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a SRCOM revela que recebeu, até ao momento, 28 declarações de responsabilidade de médicos da Bissaya Barreto, protesto que classifica de "inédito", onde estes revelam a situação "preocupante" que se vive na instituição.

"A situação é alarmante, muito grave. Os médicos desta maternidade consideram que a realidade é de tal modo preocupante, que, neste documento, explicitam os alertas para os graves riscos ali existentes para a saúde das mulheres e das crianças", avisa, na nota, Carlos Cortes, presidente da SRCOM.

Em causa, de acordo com o comunicado, está a realização de consultas e cirurgias, bem como o funcionamento do serviço de urgência e o apoio perinatal diferenciado, devido à falta de médicos pediatras, ginecologistas e obstetras "cuja escassez o ministério da Saúde não resolve há vários anos", assinala.

"Há mais de oito anos que não há contratação de pediatras. Há quase uma década que se assiste a uma tal escassez de meios que só com a dedicação dos profissionais é possível cumprir com as normas dos colégios da especialidade", adianta Carlos Cortes.

O presidente da secção regional da Ordem dos Médicos alerta para o "colapso" e exige "rapidez" na resolução dos problemas "mais graves".

"Desde 2012 que se aguarda pela resolução e construção da maternidade de Coimbra. Vamos assistir ao desmoronamento de serviços de topo? O conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra [CHUC] e a Administração Regional de Saúde do Centro [ARSC] têm de pressionar ainda mais o ministério da Saúde perante esta incapacidade em dar resposta às necessidades das mães, das grávidas e das crianças", advoga.

Na declaração de responsabilidade que os médicos estão a assinar "massivamente", lê-se, segundo a SRCOM, o seguinte: "Sem prejuízo do dever de assegurar a sua prestação clínica de forma consentânea com os seus conhecimentos e experiência profissional, a situação supra reportada é suscetível de fazer incorrer os doentes em risco e, em consequência disso, o/a signatário /a em responsabilidade médica, disciplinar e penal".

Neste contexto, Carlos Cortes considera "incompreensível" que não tenha sido atribuída qualquer vaga de Pediatria para as duas maternidades de Coimbra e Hospital Pediátrico e apenas uma vaga de Ginecologia/Obstetrícia para as diversas unidades de saúde do CHUC.

"Existe uma tentativa notória de asfixiar o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra na sua importante componente de cuidados de saúde na área maternoinfantil. É notório que este centro hospitalar foi eliminado do plano de atividades do ministério da Saúde", argumenta Carlos Cortes.

O comunicado conclui com a "possibilidade iminente" da maternidade Bissaya Barreto "ver a sua atividade comprometida e de estar impossibilitada de dar resposta nalgumas áreas sensíveis da saúde da mulher e da criança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.