Líderes que marcaram o PSD

São 17 os líderes que já passaram pelo PSD. Mas há os que, pelo tempo que presidiram ao partido ou pelas circunstâncias, o marcaram mais do que os outros.

Francisco Sá Carneiro e Cavaco Silva

É indiscutível", diz Marques Mendes, que Francisco Sá Carneiro foi o líder mais marcante do PSD. Mota Amaral, antigo presidente da Assembleia da República, afirma que o fundador "fez a composição do código de ADN" do partido. A que Mendes acrescenta que foi o inspirador da social-democracia portuguesa. "Foi um líder carismático e um primeiro-ministro, num tempo curto, mas com obra marcante." O também antigo líder do PSD considera que Cavaco Silva foi outro dos presidentes determinantes. Não só por um longo reinado de uma década no governo, como está associado à melhor altura da economia portuguesa. "Foi até hoje o chefe de governo mais reformador que o país teve", assegura Mendes. Mota Amaral também considera que Cavaco "deixou uma grande marca no PSD".

Passos Coelho e Durão Barroso

Pedro Passos Coelho, que deixará a liderança do partido em fevereiro, é na opinião de Marques Mendes outro dos presidentes a destacar. "Porque foi um primeiro-ministro no tempo mais difícil que a democracia portuguesa viveu até hoje. Um tempo de bancarrota e de intervenção externa mais exigente do que as outras. E demonstrou neste período da troika coragem, sentido de responsabilidade e visão estratégica". Sobre Passos, Mota Amaral também o considera marcante, mas mais pela negativa: "Espero que o partido retome agora a matriz original." E apesar de Durão Barroso ter sido primeiro-ministro durante pouco tempo, as "condições adversas" em que exerceu o mandato - reequilibrar em pouco tempo as finanças públicas, depois de o país cair pela primeira vez no procedimento de défice excessivo - faz dele outro dos eleitos de Marques Mendes.

Pinto Balsemão e Carlos Mota Pinto

Da galeria de antigos líderes, Marques Mendes destaca ainda Francisco Pinto Balsemão, mas não só por ter sido primeiro-ministro. Além de ter tido a "tarefa espinhosa de suceder a Francisco Sá Carneiro", num momento muito traumático para a vida do partido. "Seguiu o legado de Sá Carneiro", lembra Mota Amaral. Mas também foi determinante porque, lembra Mendes, liderou a revisão constitucional mais importante da nossa democracia, a de 1982, que acabou com a tutela militar do regime. Mendes destaca ainda Carlos Mota Pinto porque construiu com Mário Soares o governo de Bloco Central. "Governo esse que é o mal-amado da nossa democracia, mas que teve um papel patriótico na vida nacional", afirma.

Fundado em 1974, o partido teve, além destes seis líderes, mais 11: Emídio Guerreiro, Sousa Franco, Menéres Pimentel, Nuno Rodrigues dos Santos, Rui Machete, Fernando Nogueira, Marcelo Rebelo de Sousa, Santana Lopes, Marques Mendes, Luís Filipe Menezes e Manuela Ferreira Leite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.