Cuf Descobertas está a contactar 800 doentes por causa da Legionella

Objetivo é despistar a existência de novos casos

O hospital CUF Descobertas, em Lisboa, está a contactar todos os doentes que estiveram internados entre os dias 06 e 26, para despistar eventuais casos de "legionella".

Depois de terem sido detetados seis casos da doença dos legionários no hospital já foram contactadas 160 das 800 pessoas que estiveram no internamento no referido período, tendo duas dessas pessoas sido aconselhadas a ir ao hospital, por poderem ter "alguns sintomas", disse hoje o diretor clínico adjunto da instituição, Paulo Gomes.

Em conferência de imprensa o responsável deu conta que continuam internadas seis pessoas, as quatro detetadas no sábado, que "estão a evoluir bem" e as duas detetadas já no domingo, que têm "um quadro de pneumonia, mas sem sinal de gravidade" e que estão "estáveis".

Paulo Gomes disse que os novos dois casos não surpreendem as autoridades do hospital, "bem como outros casos que possam vir a aparecer", mas disse que o hospital, porque está a passar por um período de "hipervigilância", com ajustes na desinfeção, é agora muito seguro para doentes e trabalhadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.