Homem a monte após perseguição e agressão a GNR

Uma fiscalização de trânsito de rotina transformou-se numa caça ao homem. Duas mulheres foram detidas e vão ser presentes a tribunal

Um elemento da GNR foi agredido esta quarta-feira de manhã durante uma "fiscalização de trânsito simples" na localidade de Maxiais, Castelo Branco, de acordo com fonte daquela força policial. O indivíduo que agrediu o militar também terá furtado a arma ao agente.

O homem em causa seguia num automóvel com mais quatro mulheres, todos de etnia cigana, e não parou ao sinal dos agentes da GNR.

"O condutor não obedeceu à ordem e pôs-se em fuga, o que deu origem a uma perseguição policial", disse ao DN o tenente-coronel Fernando Miranda, do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco.

A viatura acabou por se despistar e terá sido nessa altura que o indivíduo agrediu o militar "pelas costas" atirando pedras à cabeça do agente que foi encaminhado para o Hospital Amato Lusitano, em Castelo Branco. Depois de ter sido suturado, o militar teve alta e já se encontra em casa.

Segundo o Jornal de Notícias, o suspeito conseguiu ainda roubar uma arma ao elemento da GNR, que foi agredido e imobilizado por uma mulher que também seguia na viatura em fuga, uma situação que o oficial da GNR "não confirma nem desmente".

Segundo a fonte do Comando Territorial de Castelo Branco da GNR, dos quatro detidos, duas mulheres, as alegadas agressoras, vão ficar detidas e vão ser presentes na quinta-feira, ao Tribunal de Castelo Branco.

"As duas agressoras, de 37 anos, vão ficar detidas e vão ser presentes amanhã [quinta-feira] ao Tribunal de Castelo Branco. A terceira é uma menor de 15 anos. O homem não vai pernoitar, porque não foi agressor", disse a fonte.

Neste momento, no terreno estão envolvidos na operação para capturar o condutor da viatura militares do Destacamento Territorial, do Destacamento de Trânsito e do Destacamento de Intervenção da GNR de Castelo Branco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.