Aberta há 85 anos na Baixa de Lisboa, a histórica Casa Frazão vai fechar

Rendas "insustentáveis" levaram acionistas a decidirem-se pelo encerramento. O adeus é em junho

Está há 85 na rua Augusta, na baixa pombalina, mas em junho vai fechar portas de vez. A Casa Frazão, fundada em 1933 em Lisboa, encerra após uma decisão "muito ponderada" dos acionistas, deixando a capital com uma única loja histórica dedicada exclusivamente aos tecidos, a vizinha Londres Salão.

"Tivemos uma oferta do senhorio e concluímos que não vale a pena estarmos aqui mais cinco anos", conta à Lusa Manuel Figueiredo, atrás do balcão onde trabalha há 34 anos, no rés-do-chão do edifício do antigo hotel Frankfurt, na loja de que também é sócio.

Ao seu lado, Isabel Queiroz, 28 anos de Casa Frazão, sócia, funcionária, filha de um antigo funcionário, sublinha que a saída, "de comum acordo", "foi uma decisão muito ponderada" e tomada numa assembleia-geral de acionistas. "Ainda pensámos ir para outro lado, mas as rendas são insustentáveis. E a Casa Frazão é aqui", afirma.

O fundador, Manuel Alves Frazão, deixou o negócio em herança aos funcionários

A partir dos anos 2000, os clientes começaram a diminuir, o que foi agravado com a crise em Portugal e, mais recentemente, com o decréscimo da procura por angolanos. As compras dos turistas foram compensando, mas não foram suficientes, apesar de a casa ter adaptado a oferta às "cores fortes" e aos "padrões grandes" de que "as estrangeiras gostam".

À falta de clientes, assinalada por Manuel Figueiredo, junta-se a falta de seguidores para o negócio que o fundador, Manuel Alves Frazão, deixou em herança aos funcionários quando morreu, num ramo em que "o serviço é muito personalizado".

As mudanças na indústria têxtil também pesam nos ombros dos lojistas, refletidas numa difícil gestão de 'stocks', com os tecidos a virem quase totalmente do estrangeiro, a partir de encomendas fixas em cada estação. "O risco fica todo do lado do lojista. Há 15, 20 anos, comprávamos 10 ou 20 metros, entretanto, se se vendia muito, mandava-se vir mais. Hoje em dia, só nos vendem o que está encomendado para cada estação", explicou.

Nos últimos anos, a Frazão tem sido sobretudo a casa de partida para uma 'toilette', escasseando a procura por materiais para o guarda-roupa do dia-a-dia.

As Modistas de Lisboa, a funcionar desde 2012, confirmam esta tendência: "Vivemos essencialmente das festas, dos casamentos, dos bailes de finalistas, dessas tradições americanizadas que têm dado muito jeito estarem a ser importadas", reconhece Susana Fernandes, ao som da rádio Radar, no pequeno ateliê da rua Luz Soriano com vista para os telhados do Bairro Alto e o rio Tejo.

"O fecho da Casa Frazão é uma preocupação para nós, enquanto modistas, porque há cada vez menos sítios onde as pessoas podem comprar tecidos, e isso também faz com que se retraiam de mandar fazer", afirma Susana, corroborada pela sócia, Antoniya Boncheva, que trabalhou no ateliê da Casa Souza, estabelecimento histórico de tecidos da rua Garrett, até ao seu encerramento.

Se um ET aterrar aqui não sabe se está na Baixa de Lisboa, Milão ou Bruxelas

Recrutada pela Souza na Bulgária, país com fama de modistas competentes, através de um anúncio de jornal, Antoniya viu Lisboa mudar nos últimos 15 anos. Reconhece que "a cidade está menos degradada", mas lamenta que "as lojas, agora, comecem a ter todas o mesmo aspeto".

"Se um ET aterrar aqui não sabe se está na Baixa de Lisboa, Milão ou Bruxelas", ironiza José Quadros, proprietário da Londres Salão, que vê "com pena" o encerramento do concorrente Frazão, admitindo que, tal como cresceu com o fecho da Casa Souza, vai "crescer seguramente agora também".

José Quadros, inquilino da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, não tem falta de clientes, mas alerta: "O negócio corre bem, mas há rendas que, por muito bem que um negócio corra, não são possíveis de pagar, a não ser pelas grandes insígnias internacionais".

"Há um ano e meio fomos chamados à Santa Casa e disseram-nos que tínhamos seis meses para sair. A Santa Casa acabou por rever a sua posição, nós entretanto ganhámos a classificação de Loja com História, e a situação, para já, é diferente", contou, defendendo que os negócios históricos economicamente viáveis têm de ser defendidos, "com rendas razoáveis, em que os senhorios ganhem dinheiro, não financiem artificialmente os negócios, mas que não sejam rendas livres de mercado".

Em busca das promoções da liquidação final, a Casa Frazão vive dias movimentados, a lembrar "a loucura" de outros tempos, mas só até dia 30 de junho, a data que ainda "parece um sonho" a Isabel Queiroz.

"Ainda não descemos à terra, quando formos entregar a chave é que vai ser mais complicado, mas já somos crescidos, temos de assumir os nossos atos. Foi melhor assim, as coisas estavam a ficar muito complicadas, muito no limite. Não se pode trabalhar no limite", contou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.