Alterações climáticas e cibersegurança são os temas do dia, diz novo doutor Guterres

Ex-primeiro-ministro e secretário-geral da ONU foi hoje distinguido com doutoramento honoris causa pela Universidade de Lisboa

António Guterres é doutor honoris causa pela escola que o formou e que ele ajudou a formar, ele que foi o aluno que conseguiu a melhor classificação de sempre no curso de engenharia eletrotécnica do Instituto Superior Técnico (19 valores). Terminou a sua intervenção, no edifício da Reitoria da Universidade Clássica de Lisboa, dizendo que se soubesse o que lhe ia acontecer na vida votaria a inscrever-se como aluno na sua escola.

Falou de improviso sobre a engenharia, aliás, primeiro brincando com o que muitas vezes lhe disseram: como podes ser engenheiro eletrotécnico se nunca mudaste fusíveis. "Não é verdade, lembro-me de ter mudado duas ou três vezes".

Mas foi no plano das novas tecnologias e da inteligência artificial que colocou a tónica, ao realçar a importância decisiva dos engenheiros na investigação para contrariar as alterações climáticas, o maior desafio que a humanidade enfrente hoje. Não foi catastrofista e sublinhou as soluções já encontradas e que, por exemplo, já levaram a que a mais barata fonte de energia esteja hoje nas renováveis. E deteve-se igualmente nas questões do ciberespaço, para notar que a próxima guerra será precedida de um ciberataque e não por barragens de artilharia nem bombardeamentos aéreos.

Como antes sublinhou Arlindo Oliveira, o presidente do IST, 54 anos, a importância de Guterres enquanto antigo aluno está não apenas no exemplo que representa para ao atuais alunos, mas também na inovação que introduziu no apoio à ciência enquanto primeiro-ministro, tendo como ministro da área Mariano Gago. "A ciência não seria o que é hoje em Portugal se não tivesse havido a coragem dessa política nesse momento, acrescentou.

Perante a Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa cheia de altas individualidade e a comunidade académica, Marcelo Rebelo de Sousa deteve-se sobretudo nas qualidades do amigo de longa data e na sua capacidade mobilizadora.

A cerimónia terminou com um momento musical, com Luísa Amaro (guitarra portuguesa) e Paulo Sérgio dos Santos (piano) a interpretar Canto do Rio e Verdes Anos de Carlos Paredes e Canção da Primavera de Francisco Martins. António Guterres não esteve presente no Porto de Honra, para dar uma conferência de imprensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.