Alterações climáticas e cibersegurança são os temas do dia, diz novo doutor Guterres

Ex-primeiro-ministro e secretário-geral da ONU foi hoje distinguido com doutoramento honoris causa pela Universidade de Lisboa

António Guterres é doutor honoris causa pela escola que o formou e que ele ajudou a formar, ele que foi o aluno que conseguiu a melhor classificação de sempre no curso de engenharia eletrotécnica do Instituto Superior Técnico (19 valores). Terminou a sua intervenção, no edifício da Reitoria da Universidade Clássica de Lisboa, dizendo que se soubesse o que lhe ia acontecer na vida votaria a inscrever-se como aluno na sua escola.

Falou de improviso sobre a engenharia, aliás, primeiro brincando com o que muitas vezes lhe disseram: como podes ser engenheiro eletrotécnico se nunca mudaste fusíveis. "Não é verdade, lembro-me de ter mudado duas ou três vezes".

Mas foi no plano das novas tecnologias e da inteligência artificial que colocou a tónica, ao realçar a importância decisiva dos engenheiros na investigação para contrariar as alterações climáticas, o maior desafio que a humanidade enfrente hoje. Não foi catastrofista e sublinhou as soluções já encontradas e que, por exemplo, já levaram a que a mais barata fonte de energia esteja hoje nas renováveis. E deteve-se igualmente nas questões do ciberespaço, para notar que a próxima guerra será precedida de um ciberataque e não por barragens de artilharia nem bombardeamentos aéreos.

Como antes sublinhou Arlindo Oliveira, o presidente do IST, 54 anos, a importância de Guterres enquanto antigo aluno está não apenas no exemplo que representa para ao atuais alunos, mas também na inovação que introduziu no apoio à ciência enquanto primeiro-ministro, tendo como ministro da área Mariano Gago. "A ciência não seria o que é hoje em Portugal se não tivesse havido a coragem dessa política nesse momento, acrescentou.

Perante a Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa cheia de altas individualidade e a comunidade académica, Marcelo Rebelo de Sousa deteve-se sobretudo nas qualidades do amigo de longa data e na sua capacidade mobilizadora.

A cerimónia terminou com um momento musical, com Luísa Amaro (guitarra portuguesa) e Paulo Sérgio dos Santos (piano) a interpretar Canto do Rio e Verdes Anos de Carlos Paredes e Canção da Primavera de Francisco Martins. António Guterres não esteve presente no Porto de Honra, para dar uma conferência de imprensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?