Alterações climáticas e cibersegurança são os temas do dia, diz novo doutor Guterres

Ex-primeiro-ministro e secretário-geral da ONU foi hoje distinguido com doutoramento honoris causa pela Universidade de Lisboa

António Guterres é doutor honoris causa pela escola que o formou e que ele ajudou a formar, ele que foi o aluno que conseguiu a melhor classificação de sempre no curso de engenharia eletrotécnica do Instituto Superior Técnico (19 valores). Terminou a sua intervenção, no edifício da Reitoria da Universidade Clássica de Lisboa, dizendo que se soubesse o que lhe ia acontecer na vida votaria a inscrever-se como aluno na sua escola.

Falou de improviso sobre a engenharia, aliás, primeiro brincando com o que muitas vezes lhe disseram: como podes ser engenheiro eletrotécnico se nunca mudaste fusíveis. "Não é verdade, lembro-me de ter mudado duas ou três vezes".

Mas foi no plano das novas tecnologias e da inteligência artificial que colocou a tónica, ao realçar a importância decisiva dos engenheiros na investigação para contrariar as alterações climáticas, o maior desafio que a humanidade enfrente hoje. Não foi catastrofista e sublinhou as soluções já encontradas e que, por exemplo, já levaram a que a mais barata fonte de energia esteja hoje nas renováveis. E deteve-se igualmente nas questões do ciberespaço, para notar que a próxima guerra será precedida de um ciberataque e não por barragens de artilharia nem bombardeamentos aéreos.

Como antes sublinhou Arlindo Oliveira, o presidente do IST, 54 anos, a importância de Guterres enquanto antigo aluno está não apenas no exemplo que representa para ao atuais alunos, mas também na inovação que introduziu no apoio à ciência enquanto primeiro-ministro, tendo como ministro da área Mariano Gago. "A ciência não seria o que é hoje em Portugal se não tivesse havido a coragem dessa política nesse momento, acrescentou.

Perante a Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa cheia de altas individualidade e a comunidade académica, Marcelo Rebelo de Sousa deteve-se sobretudo nas qualidades do amigo de longa data e na sua capacidade mobilizadora.

A cerimónia terminou com um momento musical, com Luísa Amaro (guitarra portuguesa) e Paulo Sérgio dos Santos (piano) a interpretar Canto do Rio e Verdes Anos de Carlos Paredes e Canção da Primavera de Francisco Martins. António Guterres não esteve presente no Porto de Honra, para dar uma conferência de imprensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.