Desemprego real atinge 17,5% em 2017. Inclui pessoas que não contam

Números do desemprego são o dobro dos dados oficiais no terceiro trimestre de 2017, que estavam nos 8,5%. No pico da crise valores atingiram os 28,1%.

Os números do desemprego chegaram aos 17,5%, no terceiro trimestre de 2017, e não aos 8,5% oficiais, ao considerarmos os "conjuntos de pessoas que não contam" para as estatísticas oficiais, avança esta sexta-feira o jornal Público, citando um trabalho de desocultação do impacto real da crise levado a cabo por dois investigadores do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES) do Instituto Universitário de Lisboa.

No pico da crise o desemprego real chegou aos 28,1% (no primeiro trimestre de 2013, muito acima dos 17,5% oficiais, que já eram números históricos.

Para calcular estes valores, os investigadores Frederico Cantante e Renato Miguel do Carmo incluíram os desencorajados, os subempregados, os inativos indisponíveis para trabalhar (por terem alguém a cargo ou estarem doentes) e os chamados "ocupados dos centros de emprego".

Este "universo de pessoas que têm uma relação muito frágil com o mercado de trabalho", como define Frederico Cantante, nas páginas do jornal Público, apresentam indicadores que diminuem a um ritmo muito mais lento do que a taxa de desemprego.

Aos indivíduos sem emprego, que o procuram ativamente e estão disponíveis para trabalhar (que é como o Instituto Nacional de Estatística contabiliza os dados oficiais de desempregados), este estudo juntou mais quatro categorias:

- os "desempregados desencorajados" (pessoas que, nas três semanas anteriores à realização dos inquéritos, não procuraram emprego, por já não acreditarem que o arranjariam), uma categoria que aumentou significativamente (só de 2011 para 2013 houve um salto de 82%) nos anos da crise;

- os subempregados, que são pessoas que trabalham a tempo parcial, não por opção, mas porque não arranjam emprego para trabalhar mais horas, uma "forma de inserção laboral mitigada, precária em muitos casos e indutora de situações de pobreza e destituição material";

- os "indisponíveis para trabalhar", uma categoria mais reduzida, que se aplica a pessoas que, apesar de procurarem emprego, não podem trabalhar por terem alguém a cargo ou estarem doentes;

- e os trabalhadores que foram chamados para planos ocupacionais do Instituto de Emprego e Formação Profissional, que desde 2011 (com o governo de Passos Coelho) deixaram de contar para as estatísticas de desemprego e passaram a ser incluídos na população empregada.

Segundo explica Renato do Carmo ao Público, a este problema do desemprego oculto, junta-se ainda o problema do "emprego de má qualidade" criado, muito mais precário e com níveis muito baixos de proteção social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.