Bruxelas tem um apelo: é preciso comer coelho

A campanha da União Europeia, promovida por uma associação portuguesa e uma espanhola, para incentivar o consumo de carne de coelho na península Ibérica, até 2020, arranca esta quinta-feira e conta com um financiamento de quase cinco milhões de euros

O consumo de carne de coelho na península Ibérica "caiu 16% em pouco mais de 10 anos, tendo passado de 78.100 toneladas por ano para 65.600 toneladas", de acordo com informação disponibilizada à Lusa pela Associação Portuguesa de Cunicultura (ASPOC).

A associação afirma que "este declínio resulta exclusivamente de uma quebra constante do consumo de carne de coelho que o setor não tem conseguido contrariar" e por isso é que foi criada a campanha para promover o consumo de carne de coelho em Portugal e Espanha durante três anos.

A União Europeia atribuiu 4.819.859,08 euros ao projeto - dos quais 1.043.068,36 euros vão ser aplicados em Portugal e os restantes 3.770.903,05 euros em Espanha - e o presidente da ASPOC, Firmino Sousa, disse à agência Lusa que a União Europeia "está a apoiar pela primeira vez o consumo de uma carne", com o objetivo de reintroduzir esta carne "na dieta mediterrânica".

"Já apoiaram o [consumo] azeite, vegetais e frutas, mas é a primeira vez que apoiam uma carne, por ser branca, por ter excelentes propriedades nutricionais", vincou Firmino Sousa.

A campanha é apresentada esta quinta-feira na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa e o presidente da Associação Portuguesa de Cunicultura explicou que no país vizinho já começou em 09 de maio, estando a ser feita "em conjunto com a 'Organizacion Interprofisional Cunicola' (INTERCUN)".

"Esperamos um impacto substancial em termos das preferências do consumidor", considerou o presidente da ASPOC, elencando que a iniciativa quer "colocar a carne de coelho no cabaz das famílias" e também atrair os consumidores de "uma classe mais jovem e urbana", que não conhecem "os benefícios da carne de coelho".

Firmino Sousa explicou à Lusa que não há, contudo, intenção de "substituir o consumo de outras carnes", mas sim encontrar "um espaço para uma carne de excelente qualidade".

"Sabemos de antemão que produzimos um produto de excelente qualidade e isso dá-nos este impulso muito grande de lutar pelo setor", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.