Bolos-rei no lixo à porta da Padaria Portuguesa. A marca vai investigar

Fotografia partilhada nas redes sociais mostra bolos-rei no lixo à porta de uma Padaria Portuguesa

A fotografia partilhada na manhã de hoje, Dia de Natal, nas redes sociais mostra um balde de lixo cheio de bolos-rei à porta da Padaria Portuguesa na Graça, em Lisboa. A loja está encerrada e depreende-se que os bolos serão sobras daquele estabelecimento.

As críticas não se fizeram esperar. "Espírito natalício da Padaria Portuguesa no seu melhor...", lê-se numa publicação. "Inacreditável", diz outro comentário.

Várias pessoas partilharam essa mesma fotografia no Facebook oficial da Padaria Portuguesa, que tem respondido aos vários comentários dizendo que a imagem mostra algo que "não se coaduna" com a política e os valores da marca. "Diariamente oferecemos as sobras de todas as lojas a organizações e associações, nomeadamente a Refood e Comunidade Vida e Paz", explicam.

A Padaria Portuguesa garante que vai investigar o caso: "Infelizmente a loja da Graça não aplicou as diretrizes que lhe foram transmitidas pelo que iremos proceder a uma analise interna de forma a apurar responsabilidades e tomar as devidas medidas corretivas."

A Padaria Portuguesa é uma cadeia de restauração que iniciou a sua atividade em 2010. Neste momento, e de acordo o site da empresa, a marca tem 40 lojas e 980 colaboradores. Só desde o início do ano abriram em Lisboa 11 novos espaços da Padaria Portuguesa. Primeiro na Rua da Prata, a número 50 em Alfragide, depois na Almirante Reis, no Strada Outlet, Fórum Oeiras, no Marquês de Pombal , Alto dos Moinhos, Alvalade, Campo Mártires da Pátria, Algés e o último, já este mês, em Picoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.