A miúda que perdia cabras e o ex-padre que não quis ser "boi manso"

O candidato da CDU sempre se afirmou "radical", a do Bloco é da ala "moderada". Ela nasceu pobre, ele quis viver com os pobres

Catorze anos os separam. Ela, Marisa Isabel dos Santos Matias, é de 1976, de Alcouce, no distrito de Coimbra; ele, Edgar Freitas Gomes da Silva, de 1962, do Funchal. Ela filha de uma empregada de limpeza que também tomava conta de crianças e um guarda-florestal; ele de um carteiro - que, socialista ferrenho, morreu de AVC na vitória retumbante de Soares, em 1986, contra Freitas do Amaral - e de uma funcionária pública. Ela tem dois irmãos, ele três. Ele casado com um filho de 10 anos, ela casada sem filhos - "Tenho sobrinhos", informa, a rir.

Em comum, a reserva da vida privada. Que ela explica muito bem: "Temos [os políticos] tanto direito à vida privada como toda a gente, e as pessoas que estão connosco direito a vida própria. É uma questão de princípio, o de separar as águas e também o do respeito por pessoas que têm trajetórias e vidas próprias e são reduzidas a "mulher de" ou "homem de"; não pode ser. Não tenho nenhum problema nem nada a esconder mas há aquela fronteira que tem de se preservar." Quanto "às histórias que correm, corram: não confirmo nem desminto. A não ser que sejam coisas que põem em causa a honra. Ou a própria vida privada".

Edgar Silva, candidato da CDU às presidenciais

A hesitação com que Edgar Silva responde à pergunta sobre a idade do filho comunga dos mesmos princípios - aliás muito comuns no PCP, no qual a privacidade costuma ser rigorosamente protegida dos media. Hesitação que aliás estende à pergunta - inevitável - sobre a sua atual relação com o deus da igreja de que foi sacerdote até 1997 e da qual asseverou à época da cessação do ministério não admitir que ninguém lhe apontasse a porta de saída: "Continuo a ter esse sentido da esperança." Mas crê numa entidade divina? Num deus? O que é deus? Silêncio. E um sorriso na voz quando finalmente responde: "É uma boa pergunta."

Voltar como agrafo

Não é de estranhar pois que comunguem também da raridade nas entrevistas pessoais, mesmo se qualquer deles dá nisso pano para mangas. O ex-padre e professor de Teologia rebelde, descontraído e insolente que saltou para a ribalta em 1991 (acabado de ordenar), ao fundar o Movimento do Apostolado das Crianças e denunciar os abusos sexuais sobre as "crianças das caixinhas" da Madeira (os miúdos de Câmara de Lobos que iam ao Funchal pedir e que em 1996 as autoridades belgas detetam em vídeos sexuais de uma rede internacional, corroborando as alegações de Edgar Silva); perseguido pelo governo de Jardim e pelo bispo local, denunciado como "agitador" e "exibicionista"; detido duas vezes pela PSP por defender dela os pequenos mendigos (a Provedoria de Justiça virá a dar-lhe razão, num relatório explosivo que concretiza casos de violência policial sobre as crianças); acusado pela curadora de menores da ilha de, com o projeto de "escola aberta" criado para os miúdos "de rua", se aproveitar dos proventos da mendicidade e da prostituição infantil; insurreto contra o serviço militar obrigatório que recusa cumprir como capelão militar; signatário em 1992, com nove jovens padres madeirenses, da carta "Mais democracia, melhor democracia", em afronta ao jardinismo, é exilado em Lisboa como assistente nacional do Movimento Católico de Estudantes, instalando-se no bairro de barracas da Curraleira e saindo-se com um documento sobre moral sexual contra a doutrina oficial católica - em suma, uma espécie de estandarte da Teologia da Libertação e puro herói de esquerda, desde 1996 deputado na Assembleia Regional da Madeira pela CDU, a partir de 1997 fora do sacerdócio e há 15 anos na direção (comité central) do mais hirto dos partidos, agora engravatado no discurso de lançamento da candidatura a PR. E a socióloga de voz rouca e sorriso fácil, investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra desde 2009 eurodeputada pelo BE (no qual faz parte da comissão política), vice-presidente do partido da Esquerda Europeia, nascida numa aldeia de menos de cem habitantes numa casa sem água nem luz ("Tive uma infância muito pobre mas muito feliz"), que, encarregada de pastorear cabras, as perdia por só ter olhos para os livros, desperta para a política em conversas com um vizinho veterano comunista, decidida a seguir Biologia mas desviada para as Ciências Sociais por via de um livro do depois mentor Boaventura Sousa Santos (Pela Mão de Alice, 1994), relatora de duas diretivas europeias no campo da saúde (Alzheimer e interdição de entrada de medicamentos falsificados na cadeia legal) com entrada em vigor em 2016 e que, aprovadas em 2011, lhe valeram a eleição pelos pares como "deputada do ano na área da saúde", a mulher de cabelo azeviche e olhos claros que faz voltar cabeças, aparentemente capaz de manter em todas as circunstâncias o tom cool de quem não se leva demasiado a sério - e de, num inquérito proustiano de verão, responder que a voltar ao mundo seria como "agrafo". Um agrafo, perguntam-lhe (com muito pontos de interrogação), e ela: "Tenho a maior admiração pelos agrafos e ninguém lhes liga nenhuma."

Não ser "menina" nem manso

Mas não, a Marisa não há o risco de ninguém ligar nenhuma. É oficialmente parte do triunvirato de mulheres fortes do BE, ao qual Fernando Rosas, numa entrevista recente, chamou "as nossas meninas magníficas", numa caracterização concordante com o "aquela moça" que Medina Carreira usou na TVI referindo Catarina Martins. Marisa respira fundo: "Sinceramente acho que... Disse ao Rosas que há expressões mais felizes para usar do que essa. Compreendo que a intenção fosse simpática, mas não deixa de ser paternalista. E mostra o longo caminho que há a percorrer. Porque ainda é notícia as mulheres estarem em lugares de destaque, porque toda a gente repara que somos mulheres quando se fôssemos homens seria "o normal"." E toda a gente repara - é a primeira coisa em que se repara e se comenta nas mulheres - se tem bom ou mau aspeto, se é nova ou "velha", bonita ou feia. "As considerações sobre o aspeto são sempre desvalorizadoras. Nunca são usadas para acrescentar, mas para diminuir." Mas, independentemente de tudo isso, ter bom aspeto não é, na política como em tudo, melhor do que ter mau? Sorri. "As avaliações de beleza são muitas e ainda bem, ou seja, o que é agradável para uns é desagradável para outros. Mas de uma coisa tenho a certeza e por experiência própria: na área da política a beleza nunca foi um elemento facilitador." Será? Uma ex-colega de Marisa no Parlamento Europeu, de outro grupo e de um país nórdico, assevera que ela é alguém de quem é fácil gostar. "Toda a gente a acha muito simpática." A que ponto a sua óbvia boa presença não influi nessa perceção? A que ponto isso não é sempre uma vantagem?

É uma pergunta que não houve oportunidade de colocar a Edgar Silva - a de saber como avalia o efeito de ser um homem bem-parecido. Mais a de que forma pensa que o seu estatuto de ex-padre e ex-herói dos aflitos influi no modo como é percebido pelas pessoas, e mesmo na sua escolha para esta candidatura. Do género: se o BE tem uma mulher (aliás três), nós vamos buscar um ex-sacerdote de imagem irreverente que rompe com o cinzentismo funcionário do partido. Mas a curta conversa com o candidato da CDU indicia a amabilidade reticente, timorata quase, tão comum nos militantes do PCP ante jornalistas. Uma reserva que contrasta com a atitude de Edgar Silva em entrevistas pré--militância, quando dizia coisas como "Mais do que obrigações a uma instituição [a Igreja Católica, no caso], temos obrigação, primeiro que tudo, à nossa consciência, àquilo em que acreditamos. Porque se for apenas para servir uma instituição, somos meros carreiristas. Eu não nasci para servir uma instituição. Não nasci para ser boi manso." (Grande Reportagem, maio de 1994). Quatro anos depois, ao Expresso, já militante comunista, à pergunta "como se sente ao estar num partido que apoiou inequivocamente regimes autoritários e desumanos?" responderia com uma oblíqua: "Os partidos são importantes para a democracia mas não existem estruturas perfeitas."

Poder versus princípios

Nada é perfeito, concorda Marisa. E o problema pode estar precisamente em teimar que seja. Assumindo-se amiga do dirigente do Syriza e atual PM grego, Alexis Tsipras, escreve, a 12 de julho, num post no blogue Um Pauzinho na Engrenagem, sobre aquilo que muitos, no BE e fora dele, viram como uma traição ao não do povo grego no referendo sete dias antes. "Vamos, então, às razões pelas quais não corri a tirar o tapete ao Syriza", diz, explicando como avalia, com prós e contras, o acordo anunciado do governo grego com as instituições europeias, para concluir: "A existir, este acordo não é o que eu queria, mas muito mais relevante do que isso, que a minha opinião aqui não tem importância nenhuma, não é o que o governo grego queria. É preciso fazer muito e em condições extraordinárias para ir conseguindo libertar espaço de manobra e, caso o consiga, ir matando lentamente a austeridade. Mas, ainda assim, este é ainda bem menos o acordo que a Sra. Merkel, o Sr. Schäuble ou o Sr. Dijsselbloem queriam." E acrescenta: "Para usar uma expressão clássica, é de luta de classes a sério que estamos a falar. O Syriza já decidiu que queria ter relevância. Talvez também tenha sido por isso que ganhou as eleições e o referendo. Numa altura em que a história teima em correr à nossa frente, o governo grego não procura muito: apenas a esperança do país num futuro. Aquilo, afinal, que prometeu desde o início. Tudo isto é muito incerto e "impuro". Pois com certeza que é. Mas antes a incerteza arriscada do que a certeza cobarde."

Impossível não ler aqui um repto ao seu próprio partido e à esquerda em geral. Um repto que assume frontalmente - "Fomos sempre muito ambíguos em relação à questão do poder" -, chegando mesmo, numa entrevista de maio deste ano ao i, à crítica direta ao BE e à forma como, à época, considerava que estava a ficar "cada vez mais dividido por questões menores, por questões pessoais, por questões de ego. Só que isso não resolve o problema de ninguém. E, na altura em que precisávamos de um bloco à esquerda mais coeso, mais consistente e afirmativo para responder pelos direitos sociais - e não pelos interesses particulares, que são os que estão nas forças que governam -, é quando nos fragmentamos. É vergonhoso. Penso que já não vai lá com política, só com psiquiatria, parece-me um problema patológico." Numa entrevista a Pablo Iglesias, o líder do espanhol Podemos, no programa de TV La Tuerka, um mês antes, tivera ainda menos papas na língua: "Só há duas formas de mudar um país - ter uma política diferente e ter mais de 50%. E se uma destas condições não existe então transforma-se em algo de inútil para disputar o poder. (...) Ter poder sem princípios não serve de nada. Mas ao mesmo tempo ter os princípios sem poder é igualmente inútil."

Não se sabe como responderá a isto Edgar Silva, que na citada entrevista à Grande Reportagem clamara ter decidido ser padre como "uma opção de radicalidade", concretizando: "Ter por opção o não ter torna-nos mais perigosos. (...) O nada ter tem um caráter de risco, de perigo, que é extremamente subversivo. Tem uma dimensão subversiva que ultrapassa a possibilidade de dominação e de controlo." Ter por opção o não ter compaginar-se-á com a direção de um partido e a candidatura à presidência? É possível estar dentro pretendendo estar fora? A pergunta não podia ser mais atual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.