A abertura aos consensos e um grande apoio à descentralização

Rio quer ganhar as legislativas, mas admite dar apoio a um governo minoritário do PS, partido com o qual admite entendimentos.

Rui Rio deixou a ameaça a pairar, na TSF, a dois dias das diretas no PSD. Com ele ao leme do partido, quem tentar minar o caminho dos líderes - no caso referia-se implicitamente a Miguel Relvas, que não alvitrou longa vida ao futuro presidente laranja na véspera da eleição -, é para meter na ordem. De Santana Lopes, que derrotou, já disse que conta com ele para a união do PPD/PSD.

Se no partido anuncia rigor, Rui Rio traz com ele um programa, que irá ser sufragado no congresso de fevereiro, que aponta a descentralização como a reforma na qual o PSD se deve empenhar. O que conjugado com a disponibilidade que manifestou para fazer consensos em torno das questões estruturantes para o país, mostra que será um parceiro de discussão com o governo sobre esta matéria. O executivo de António Costa já tem em marcha todo o processo de descentralização e é muito provável que envolva nele Rui Rio.

O pacto para a justiça, para o qual o Presidente da República lançou um repto aos partidos e aos agentes judiciais (que já entregaram um documento com 80 medidas), também é provável que avance com o novo presidente do PSD. A transformação do sistema judicial é uma das suas bandeiras, já que tem uma visão muito crítica do funcionamento do Ministério Público. Rui Rio não se quis comprometer com a renovação do mandato da procuradora-geral da República.

Um novo modelo económico alternativo ao do governo vai ser outra das suas apostas. Rio defende que a subida da riqueza do país só pode acontecer com a conquista dos mercados externos e a aposta nas exportações e no investimento. Defende, por isso, uma descida do IRC para as empresas.

Nestes dois próximos anos de combate político ao PS, vai à procura de uma vitória nas eleições europeias do próximo ano e nas legislativas de 2010. Mas já admitiu claramente que se as perder e o PS tiver maioria relativa, ajudará a dar apoio parlamentar ao governo. Tudo para evitar a frente de esquerda, PCP e BE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.