Escola secundária de Évora sem aulas por não ter "condições mínimas"

Escola está aberta, mas com as atividades letivas suspensas devido à falta de funcionários e necessidade de obras

A Escola Secundária André de Gouveia, em Évora, está hoje sem aulas por não existirem "as condições mínimas" para funcionar, devido à falta de funcionários, impossibilidade de fornecer refeições e necessidade de obras, disse a diretora.

"Hoje não há aulas porque chegámos a uma rutura e não temos as condições mínimas para a escola estar a funcionar", frisou à agência Lusa Maria de Lurdes Batista, diretora do estabelecimento escolar.

A escola, com cerca de 600 alunos, do 7.º ao 12.º ano, está aberta, mas com as atividades letivas suspensas, durante todo o dia, numa decisão da direção da escola, em conjunto com a associação de pais, professores e funcionários.

"Estamos parados para que a comunidade escolar possa reunir e para verificarmos quais as condições que podemos dar aos alunos na quinta-feira, porque já vai haver aulas, mas com espaços encerrados", explicou a diretora.

Segundo Maria de Lurdes Batista, o estabelecimento enfrenta "vários problemas" e, "nos últimos dois anos e meio", comunicou essas dificuldades "às secretarias de Estado e ao ministro" da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, assim como "ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, aos deputados e aos candidatos à Câmara de Évora" nas recentes eleições autárquicas.

"Todos sabem do que se passa e estamos à espera que nos digam alguma coisa superiormente e que arranjem soluções urgentes para minorar esta situação", argumentou.

Na Escola Secundária André de Gouveia, relatou a diretora, deviam trabalhar "24 assistentes operacionais", mas, atualmente, "devido às baixas, de curta e longa duração, apenas há 12 funcionários".

"Não há funcionários para o espaço todo e, agora, temos mais alguns de baixa. Aliás, temos estado a funcionar com pavilhões sem ninguém, são os professores que vão buscar a chave e resolvem os assuntos sozinhos", indicou.

O fornecimento de refeições é outro dos problemas, acrescentou.

"A canalização da cozinha é tubo galvanizado, com 40 anos. É velha, está toda ferrugenta e entrou em rutura em vários sítios. Quando arranjamos a tubagem num sítio, rebenta noutro", relatou.

Perante esta situação, as refeições têm estado a ser confecionadas em duas outras escolas, sendo depois transportadas para a André de Gouveia em marmitas, para distribuir aos alunos, "em pratos de plástico, visto que não se podiam lavar e higienizar os outros pratos".

"Tem sido horrível, porque não é condição nenhuma fazer parte da comida num sítio, outra noutro e transportá-la para a escola", mas, na terça-feira, a situação complicou-se ainda mais, porque "uma cozinheira, que já tinha uma tendinite, deu um jeito a carregar marmitas pesadas e ficou de baixa", contou a diretora.

A necessidade de obras na escola, para substituir a instalação elétrica, que "também é velha", ou para reparar o chão de salas de aulas e um pavilhão "onde entra chuva", é outra das reclamações da direção da escola, que vai reunir, hoje de tarde, com os pais e diretores de turma, para analisar o reinício das aulas, na quinta-feira.

"Estamos concentrados e vamos pensar o que podemos fazer", disse, explicando que a ideia passa por abrir normalmente na quinta-feira, mas "com o refeitório fechado e reforço do 'buffet', para que os alunos, mesmo que não tenham uma alimentação quente, terem mais fruta, sandes" e outros alimentos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...