"A Expo mostrou-me que a tecnologia e a ciência fazem aproximar as pessoas"

Ana Mafalda Neves, 24 anos, estudante, Lisboa

Eu tinha cinco anos. Aquilo de que me lembro mesmo é de estar imensa gente para ver o espetáculo do ovo, o Aquamatrix, à noite, e lembro-me do Gil, claro. Eu ia imensas vezes com os meus pais, que tinham free pass, aquele era o meu espetáculo preferido e fiquei muito triste quando encerraram as exposições. Havia muita gente nas filas para entrar nos pavilhões e eu recordo-me de andar a correr, à procura dos autocolantes para o "passaporte" da Expo.

O meu pai pertencia à Parque Expo. A minha mãe esteve envolvida diretamente em diversos projetos de edifícios da Parque Expo. Lembro-me de tudo aquilo ainda ser um campo de terra batida, só com máquinas para trabalhar. A Expo 98 faz parte das minhas memórias. Desde muito nova que aprendi a ver o mundo de uma forma diferente. Percebi que é possível inovar, juntar pessoas, e celebrar isso mesmo. Inovação a qualquer nível: desde a interação dos espetáculos, que era muito gira e, a Expo mostrou-me que a tecnologia e a ciência fazem aproximar as pessoas de diversas maneiras. Acho que programas destes deveriam continuar no nosso país: foi a melhor coisa que Portugal fez de raiz.

A 22 de maio de 1998 abriu portas em Lisboa a Expo'98, com o tema "Os oceanos: um património para o futuro". Até ao dia 30 de setembro, Portugal mostrou ao mundo o resultado da requalificação de uma zona da capital que estava degradada: foi ali, onde hoje é o Parque das Nações, que nasceu uma das melhores exposições mundiais realizadas até à altura. O recinto recebeu mais de dez milhões de visitas e diariamente havia uma novidade para descobrir, fosse nos pavilhões dos países representados, fosse nos locais onde decorriam espetáculos, concertos ou desfiles. Além dos pavilhões temáticos, alguns com filas onde as pessoas esperavam longos minutos para entrar.

São essas experiências que o DN vai recordar diariamente, com testemunhos de quem ali esteve de visita ou fazendo parte dos espetáculos.

Exclusivos