Líder do PAN classifica oposição interna de "minoria ruidosa"

Inês Sousa Real diz que decisão sobre congresso só depois de terminada auscultação interna dos filiados

A porta-voz do PAN considerou este terça-feira (22) que a oposição interna é "uma minoria" que está "de forma ruidosa a por em causa" o partido e reiterou que "a seu tempo", depois de ouvidos os filiados, falará sobre o congresso.

"Aquilo que tem havido é uma minoria que tem estado de facto de forma ruidosa a pôr em causa este projeto comum que é o PAN, e internamente as pessoas não se identificam com isso que tem acontecido na comunicação social, muito pelo contrário", afirmou Inês Sousa Real.

Falando à margem de uma visita ao Parque Natural de Sintra-Cascais, no distrito de Lisboa, a líder do PAN defendeu que os filiados "entendem que este processo de auscultação é um processo muito importante, que deve ser dado espaço para a direção fazer o seu trabalho".

Apontando que "a direção nunca afastou a possibilidade de um congresso", Sousa Real acrescentou: "a seu tempo evidentemente pronunciar-nos-emos em relação a isso".

A audição dos filiados quanto ao futuro do partido tem sido, segundo Inês Sousa Real, "muito positiva" e "só demonstra que a direção tomou a decisão correta". "Temos recebido sugestões incríveis do ponto de vista da estratégia política", defendeu.

No entanto, a porta-voz recusou adiantar qual a decisão que será tomada, apontando que "será precoce fazer uma análise até porque há muitas opiniões em relação a isso" uma vez que ainda só foi ouvida "uma curta" parte dos filiados.

"Aquilo que há claramente é forte vontade de auscultação e de união interna para que possamos contribuir para que o PAN tenha a força que sempre teve na Assembleia da República", declarou. Terminado o processo, será apresentado "um relatório relativamente à posição interna do partido" quanto à realização do congresso.

Inês Sousa Real disse também que, apesar da contestação interna, "até agora" não houve "quaisquer recusas de participação" por parte das estruturas locais nestas reuniões de auscultação das bases, "pelo contrário, as pessoas têm aderido, têm participado".

"E depois no final pronunciar-nos-emos em relação ao resultado desta auscultação", indicou a deputada.

Questionada sobre quando deverá terminar essa auscultação, Sousa Real não se quis comprometer com uma data, ressalvando que "é difícil estar aqui a fechar um calendário, até porque isto implica ouvir o país inteiro e também as regiões autónomas".

"Temos tido reuniões de muitas horas com as concelhias e as distritais porque de facto têm sido muito participadas", o que faz com que estejam a acontecer "menos audições, sobretudo ao fim de semana".

Em 08 de fevereiro, em entrevista à SIC-Notícias, a porta-voz do PAN afirmou que o partido vai realizar um congresso, mas defendeu que caberá às bases, que começaram a ser auscultadas no fim de semana seguinte, decidir se será para eleger uma nova liderança ou apenas estatutário.

Na semana passada foi divulgado um manifesto que pede a convocação de um Congresso eletivo num prazo máximo de cinco meses.

André Silva, anterior porta-voz do PAN, já defendeu que a atual líder deveria demitir-se após o resultado que o partido alcançou nas eleições legislativas, e convocar um congresso eletivo.

Nas legislativas de 30 de janeiro, o PAN obteve 1,64% dos votos e passou de quatro deputados para apenas um eleito, precisamente Inês Sousa Real.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG