Uma Thurman quebra silêncio e diz que também foi alvo de assédio

Atriz ataca diretamente Harvey Weinstein

Uma Thurman falou finalmente acerca do escândalo de assédio sexual em Hollywood, mais precisamente sobre Harvey Weinstein, para admitir que também ela foi vítima. A atriz atacou diretamente o poderoso produtor com quem trabalhou em Pulp Fiction e Kill Bill e usou a hashtag #metoo, que tem sido usada por mulheres que querem denunciar os abusos e as agressões de que foram alvo.

Uma Thurman usou o Instagram para desejar a todos um bom dia de ação de graças, que se comemorou ontem. "Exceto a ti Harvey, e a todos os teus perversos conspiradores", diz, confessando-se satisfeita por o processo estar a atingir o produtor lentamente. "Ainda bem que está a ser lento. Tu não mereces uma bala", comentou.

A atriz começou a publicação por dar graças. "Estou grata por estar viva, por todos os que amo e por todos os que têm a coragem de enfrentar os outros", escreveu, lembrando que recentemente se havia manifestado zangada. "E tenho umas quantas razões, #metoo, para o caso de não adivinharem pela minha cara", acrescentou, salientando que acha importante fazer as coisas no devido tempo, ser justa e exata.

Numa entrevista recente, Uma Thurman havia fugido a um comentário acerca de Harvey Weinstein. "Tenho aprendido que quando falo zangada, normalmente me arrependo daquilo que digo", justificou.

Mais de 80 mulheres, incluindo estrelas de Hollywood como Gwyneth Paltrow ou Angelina Jolie, acusaram publicamente o influente produtor de assédio ou violação sexual, na sequência da publicação, há um mês, de investigações pelo jornal New York Times e pela revista New Yorker.

Harvey Weinstein, que nega ter tido mantido relações sexuais não consentidas, foi já expulso da Academia de Cinema e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares.

O produtor norte-americano, galardoado com um Óscar pela produção de "A Paixão de Shakespeare" (1998), é atualmente alvo de uma investigação policial em Nova Iorque, Los Angeles e em Londres.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."