Uma Thurman quebra silêncio e diz que também foi alvo de assédio

Atriz ataca diretamente Harvey Weinstein

Uma Thurman falou finalmente acerca do escândalo de assédio sexual em Hollywood, mais precisamente sobre Harvey Weinstein, para admitir que também ela foi vítima. A atriz atacou diretamente o poderoso produtor com quem trabalhou em Pulp Fiction e Kill Bill e usou a hashtag #metoo, que tem sido usada por mulheres que querem denunciar os abusos e as agressões de que foram alvo.

Uma Thurman usou o Instagram para desejar a todos um bom dia de ação de graças, que se comemorou ontem. "Exceto a ti Harvey, e a todos os teus perversos conspiradores", diz, confessando-se satisfeita por o processo estar a atingir o produtor lentamente. "Ainda bem que está a ser lento. Tu não mereces uma bala", comentou.

A atriz começou a publicação por dar graças. "Estou grata por estar viva, por todos os que amo e por todos os que têm a coragem de enfrentar os outros", escreveu, lembrando que recentemente se havia manifestado zangada. "E tenho umas quantas razões, #metoo, para o caso de não adivinharem pela minha cara", acrescentou, salientando que acha importante fazer as coisas no devido tempo, ser justa e exata.

Numa entrevista recente, Uma Thurman havia fugido a um comentário acerca de Harvey Weinstein. "Tenho aprendido que quando falo zangada, normalmente me arrependo daquilo que digo", justificou.

Mais de 80 mulheres, incluindo estrelas de Hollywood como Gwyneth Paltrow ou Angelina Jolie, acusaram publicamente o influente produtor de assédio ou violação sexual, na sequência da publicação, há um mês, de investigações pelo jornal New York Times e pela revista New Yorker.

Harvey Weinstein, que nega ter tido mantido relações sexuais não consentidas, foi já expulso da Academia de Cinema e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares.

O produtor norte-americano, galardoado com um Óscar pela produção de "A Paixão de Shakespeare" (1998), é atualmente alvo de uma investigação policial em Nova Iorque, Los Angeles e em Londres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.