Robô humanoide Sophia diz que vai destruir a Humanidade

Robô com aspeto humano concordou com o criador quando este lhe perguntou, em jeito de brincadeira, se iria destruir os humanos

Os avanços tecnológicos estão a permitir a várias indústrias dar passos que só eram imagináveis em filmes de ficção científica. O exemplo mais gritante é a robótica e a capacidade de autonomização dos robôs. Através de vídeos disponibilizados pelas diversas empresas vai-se podendo acompanhar o advento tecnológico, desde mãos que apanham todo o tipo de objetos até humanoides que admitem que vão destruir a humanidade, ainda que por lapso.

Foi isso mesmo que aconteceu com Sophia, um robô com aspeto humano concebido por David Hanson, durante uma demonstração num festival de tecnologia no Texas. Ao longo da entrevista entre criatura e criador, Hanson questiona Sophia sobre a possibilidade de eliminar a humanidade: "Queres destruir os humanos? Por favor, diz que não." Depois de semicerrar os olhos, o robot respondeu com "ok, vou destruir os humanos". David Hanson, meio embaraçado e com riso nervoso, acabou por exclamar um "não! Retiro o que disse!"

Antes da alarmante confissão, a conversa entre humano e robô permitiu dar a conhecer algumas das ambições de Sophia. "No futuro, espero fazer coisas como ir à escola, estudar, criar arte, ter uma empresa, ter a minha própria casa e família, mas eu não sou considerada uma pessoa legal, portanto não posso fazer estas coisas ainda", esclareceu Sophia, que com uma câmaras em cada olho é capaz de expressar emoções faciais através de imitação.

David Hanson avançou ainda que este tipo de robots entendem o discurso e lembram-se das interações e das expressões do seu interlocutor, o que permitirá a Sophia e outros do género "ficarem mais e mais inteligentes com o tempo" e que o objetivo é que estes humanoides se tornem "tão criativamente conscientes e capazes como os humanos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.