Robô humanoide Sophia diz que vai destruir a Humanidade

Robô com aspeto humano concordou com o criador quando este lhe perguntou, em jeito de brincadeira, se iria destruir os humanos

Os avanços tecnológicos estão a permitir a várias indústrias dar passos que só eram imagináveis em filmes de ficção científica. O exemplo mais gritante é a robótica e a capacidade de autonomização dos robôs. Através de vídeos disponibilizados pelas diversas empresas vai-se podendo acompanhar o advento tecnológico, desde mãos que apanham todo o tipo de objetos até humanoides que admitem que vão destruir a humanidade, ainda que por lapso.

Foi isso mesmo que aconteceu com Sophia, um robô com aspeto humano concebido por David Hanson, durante uma demonstração num festival de tecnologia no Texas. Ao longo da entrevista entre criatura e criador, Hanson questiona Sophia sobre a possibilidade de eliminar a humanidade: "Queres destruir os humanos? Por favor, diz que não." Depois de semicerrar os olhos, o robot respondeu com "ok, vou destruir os humanos". David Hanson, meio embaraçado e com riso nervoso, acabou por exclamar um "não! Retiro o que disse!"

Antes da alarmante confissão, a conversa entre humano e robô permitiu dar a conhecer algumas das ambições de Sophia. "No futuro, espero fazer coisas como ir à escola, estudar, criar arte, ter uma empresa, ter a minha própria casa e família, mas eu não sou considerada uma pessoa legal, portanto não posso fazer estas coisas ainda", esclareceu Sophia, que com uma câmaras em cada olho é capaz de expressar emoções faciais através de imitação.

David Hanson avançou ainda que este tipo de robots entendem o discurso e lembram-se das interações e das expressões do seu interlocutor, o que permitirá a Sophia e outros do género "ficarem mais e mais inteligentes com o tempo" e que o objetivo é que estes humanoides se tornem "tão criativamente conscientes e capazes como os humanos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.