Trump, o incendiário

A realidade consegue ultrapassar sempre a ficção, isso já aprendi com a vida. Neste caso, o protagonista é Donald Trump. Quando julgamos que não pode fazer asneiras mais graves do que as que já cometeu, eis que ele surpreende o mundo e mostra como a estupidez é igualzinha ao universo: não tem limites. Mais uma prova de como a teoria de Einstein é válida, mesmo pelos piores motivos.

Desta feita, o presidente dos Estados Unidos da América (EUA) anunciou ao mundo o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel. Como um elefante numa loja de porcelanas, a declaração de Trump sobre um dos mais sensíveis dossiers do processo de paz entre Israel e Palestina deixa em cacos todo o processo negocial e declara-lhe o óbito.

Trump consegue, de uma penada, confirmar as expetativas dos setores mais radicais da Palestina e de Israel: Ambos defendiam que o processo de paz era uma perda de tempo. Por motivos diferentes, é certo, mas com desfechos similares, ambos queriam acabar com qualquer diálogo. E, claro, quem fecha as portas ao diálogo, não pode esperar coisas boas na volta.

Jerusalém é uma das mais importantes cidades do mundo pelo que significa para as três maiores religiões monoteístas. É central na identidade dos fiéis dessas religiões. A disputa sobre a cidade decorre, em parte, porque vários dos seus locais são considerados sagrados para as diferentes religiões.

Quando Trump afirma o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel está a dizer que Jerusalém "pertence" a Israel. Deita por terra a posição das Organização das Nações Unidas (ONU), que desde 1967 nunca reconheceram Jerusalém como a capital israelita, nem a ocupação israelita de Jerusalém Oriental. Esta posição da ONU, aliás, tinha sido seguida pela comunidade internacional, que instalou as suas embaixadas em Telavive como forma de pressão para que o estatuto de Jerusalém fosse negociado por israelitas e palestinianos.

A posição de Trump dinamita os esforços da ONU e legitima, também, todas as leis discriminatórias que são aplicadas aos palestinianos em Jerusalém ocidental. Décadas de diplomacia foram deitadas pelo cano abaixo: Israel já veio reivindicar Jerusalém como a capital una e indivisível, fazendo tábua raza das diversas resoluções da ONU.

Falar de Trump e de coerência é um ato falhado, mas lembro que uma das primeiras medidas de Trump foi indicar o seu genro, Jared Kushner, para elaborar um plano de paz entre israelitas e palestinianos. A incoerência, agora, retirou decididamente os EUA de qualquer solução para a paz. Neste momento, parece que preferiram atirar gasolina para a fogueira da guerra.

Depois do foguetório do anúncio de Trump, as primeiras reações irão demonstrar o crescer da instabilidade naquela região. As ameaças já começaram a surgir, por exemplo, na Turquia, onde Erdogan afirmou que "uma linha vermelha" foi ultrapassada. A frase do negociador palestiniano do processo de paz, Nabil Shaath, é já de desespero: "Não queremos violência, mas não podemos impedi-la." As reações de Irão, Egito, Jordânia, Líbano, Síria e Arábia Saudita são todas de enorme gravidade.

O mundo muçulmano está a assumir a decisão dos EUA como uma afronta e essa é uma via aberta para o recrudescer de extremismos. Basta olhar para as décadas passadas para percebermos a ameaça sangrenta que paira sobre o futuro próximo.

As promessas de diálogo foram desfeitas e a ONU desfeiteada. Que promessas poderão agora ser feitas para sentar as partes à mesa? Que motivações, até, para haver qualquer diálogo? Do lado de Israel o sentimento é o de vitória total, tendo perdido a pressão para negociar. Do lado palestiniano, o sentimento é o dos compromissos do passado terem sido levados pelo vento.

A imprudência de Trump é dificilmente explicável pela matriz de racionalidade que nos move. É certo que cumpre uma promessa de campanha que fez para conseguir o apoio de setores mais radicais pro-israelitas. Mas, da propaganda eleitoral até ao desastre governativo, vai uma grande distância. O cowboy disparou sem pensar e já fez como vítima o processo de paz. Veremos agora a dimensão dos estragos que se seguem.

Israel já disse ao que vai: tornar Jerusalém a capital una e indivisível. De seguida, tentarão novos alargamentos dos colonatos, sentindo que os ventos lhe são favoráveis.

A comunidade internacional deve assumir o seu papel e exigir responsabilidade a Israel e o cumprimento das resoluções da ONU. Para isso é necessário repudiar a posição de Trump, reforçar o embargo de produtos israelitas e exigir o cumprimento das resoluções da ONU.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.