Foi melhorando,mas foi muito pouco e a culpa é de todos!

A sequência de debates entre os dois candidatos à liderança do PSD foi melhorando, mas no fim ficámos todos, inclusive Rui Rio e Santana Lopes, com a convicção de que podia ter sido melhor. Para começar, melhor podia ser, com toda a certeza, a mediação feita pelos jornalistas entre o que dizem os políticos e o que chega à opinião pública.

Se é para criticar, convém começar por fazer um mea culpa. Como é possível que na comunicação social se tenha gastado tanta tinta a criticar a falta de ideias dos candidatos se sempre que eles apresentaram ideias elas foram desvalorizadas? Como é possível que ninguém tivesse aguentado a discussão sobre o passado e os debates tenham começado sempre da mesma maneira, respondendo às perguntas dos jornalistas sobre as críticas feitas anteriormente? Como é possível que ninguém quisesse saber das críticas pessoais que cada um dos candidatos fazia um ao outro e os analistas e comentadores valorizassem a prestação dos candidatos pela capacidade de encostar o adversário às cordas?

O centralismo da nossa democracia não se prende apenas com os centros de decisão política estarem maioritariamente em Lisboa, o debate sobre o que interessa ao país também se faz maioritariamente sobre o que interessa aos nobres que gravitam na capital do império. Podemos todos ter a certeza de que o povo de norte a sul quer saber o que pode a nova liderança do PSD fazer para mudar a vida dos portugueses mas, no fim, o que valorizamos na análise é que Santana é mais combativo nos debates do que Rio.

O que fixámos sobre o que cada um disse não foi mais do que as duas ou três banalidades repetidas à exaustão. Ninguém sequer quis tomar nota das explicações mais substantivas que foram apresentadas nas suas moções.

Feito o mea culpa, importa olhar para o PSD. Não confundo o aparelho com as bases do partido mais português. Nas bases haverá, por certo, quem se preocupe com as ideias que o partido tem para o país, no aparelho quase só há quem se importe com as ideias que o líder tem para os seus lugares. É por isto que os candidatos à liderança também têm responsabilidades na importância que a roupa suja acabou por ter nesta campanha. A discussão foi feita tendo em conta os votos que amanhã serão colocados nas urnas.

Mesmo Rui Rio, que teve a coragem de ser politicamente incorreto em relação ao Ministério Público ou a um eventual apoio social-democrata a um governo minoritário do PS, só para dar dois exemplos, acabou a fazer cedências neste tipo de debate em que se procurava determinar quem era o pior dos candidatos. E só assim é que ele, na análise da maioria dos comentadores, acabou por se levantar do tapete onde Santana o colocou no primeiro debate para um último combate onde nem aos pontos se conseguiu determinar um vencedor.

Esgotados os argumentos, amanhã um dos dois será eleito líder do PSD e pode já ter uma certeza: por mais elaborado que seja, por mais significativa que seja a alternativa que vai defender, será acusado de não ter ideias. O espaço público continuará a valorizar as polémicas, o tempo de antena terá correspondência com a magnitude das acusações que fizerem e a sua ação política, no imediato, só será reconhecida se conseguir embaraçar o poder instituído. Mesmo sendo este o espaço da política, quem quer que seja o futuro líder do PSD só poderá ter hipóteses se não tiver medo de romper com esta hipocrisia. O tempo apaga tudo e nem chega a passar pelos que têm medo de lutar por ideias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.