Vivam os tailandeses!

Restelo, bairro de Lisboa, Rua de Alcolena, pequena e de vivendas, às 13 horas, à hora a que escrevo. Porque não está lá uma multidão? Ou um descendente do Senhor do Adeus, o homem que distribuía saudações aos lisboetas, de madrugada, só porque gostava deles? A Tailândia merece este gesto nosso: viva! Viva um país que cuida dos seus, salva os seus. Viva a Tailândia, vivam os tailandeses que não perderam a esperança por 12 miúdos e o seu treinador.

Viva um país que aceitou o apoio de quem o sabia dar. Que soube acolher estrangeiros que podiam dar conselhos e saberes, sem se melindrar com nacionalismos espúrios. Viva a Tailândia que tem autoridades que falam com autoridade, não escondendo, porém, a comoção. Vivam os tailandeses que sempre souberam mostrar a gentileza aos turistas e ensinou-nos agora que não é mero interesse, é respeito pelos outros, como só pode ter quem cuida dos seus.

Porque não nos juntamos por um agradecimento? Porque não reconhecemos a necessidade de dizer bem quando o bem que outros nos fazem é água fresca que nos salva? Ao menos passem pela Rua de Alcolena e deem duas buzinadelas de alegria.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.