Manifesto pela canibal

Eu estou bem colocado para dar um pontapé no Pedro Marques Lopes caído no chão: somos amigos. Ele é amigo, dos melhores, daqueles que se conhecem tarde e se escolhem. Amigo com quem discuto tanto e com o consolo, meu, de ficar quase sempre claro, para mim, que sou eu a ter razão. É bom ter amigos assim. Ontem, o Pedro escorregou como só ele, de forma original e com estardalhaço, com a ponta dos dedos. Escrevia ele um tweet sobre a momentosa questão expressa num título do Público, "Carta aberta pede legalização da cannabis para fins medicinais", e, então, ele postou: "Só há uma explicação para a canibal ainda não ser legal para fins terapêuticos: uma imensa ignorância." Eis um assunto (refiro-me ao tratado pelo jornal Público) sobre o qual eu não tinha nada para dizer, mas com a incómoda suspeita de falhar a ocasião de defender uma causa justa. Porém, outro assunto (refiro-me ao tweet do Pedro) veio libertar-me da indecisão. Sei que vou aproveitar-me da partida que o corretor ortográfico lhe pregou e vou juntar-me à turba (quase toda risonha e simpática, aliás) que gozou ontem com o Pedro e a sua defesa de uma insólita causa: a inalienável urgência de tornar a canibal legal para fins terapêuticos. Em doses pequenas, simples mordidelas, também acho que a canibal devia ser legalizada. Até digo mais, não vejo a necessidade de qualquer doença para o consumo, moderado, da citada mezinha. O tipo de marcas que a canibal deixa é imediato, ao contrário do álcool que só tarde nos previne com um nariz vermelho, já quando é irremediável a decomposição de órgãos internos. Prevenidos com as dentadinhas dela, à canibal nunca a deixaremos chegar ao fígado. Parabéns, pois, querido Pedro, pelo manifesto que ousaste, embora sem quereres. E voltando ao assunto de que eu não sabia como escrever por ignorar tudo, o aparecimento da canibal vem acompanhado de uma vantagem sobre a canábis: não vejo como aquela traga qualquer dependência.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.