Senhorios privados de solidariedade social

A decisão que a esquerda unida tomou não tem nada a ver com capacidade económica de inquilinos, nem sequer visa proteger os idosos e deficientes. É desnecessária, iníqua, geradora de injustiça social e de justificada desconfiança no Estado, demagogicamente apresentada como um bodo aos pobres. A esquerda no seu pior

A notícia é de molde a humedecer as vistas: "Vão continuar congeladas as rendas para os mais necessitados", diz o Diário Económico. E explica: "O objectivo é congelar as rendas para pessoas com mais de 65 anos, para os portadores de deficiência e para comerciantes que tenham lojas com interesse histórico e cultural." Mais à frente, garante: "O Governo, o PS e o Bloco acordaram adiar o aumento das rendas para quem tem menos capacidade de as pagar."

Parece muito bonito, mas não é verdade. A decisão que a esquerda unida tomou, e que um projeto de lei do PS, apresentado em abril, já prefigurava, não tem nada a ver com capacidade económica de inquilinos, nem sequer visa proteger os idosos e deficientes (o caso das lojas históricas é diferente - à frente se falará dela). É uma decisão desnecessária, iníqua, geradora de injustiça social e de justificada desconfiança no Estado, demagogicamente apresentada como um bodo aos pobres.

Demonstremos. Para começar, a lei em vigor - de 2012, do Executivo de Passos Coelho, mas nisto seguindo a lei anterior, de 2006, da autoria do então ministro da administração interna António Costa, que muito gabou então a sua obra de "descongelamento das rendas" -- estabelece que para pessoas com mais de 65 anos e deficientes com arrendamentos anteriores a 1990, as chamadas "rendas antigas", a renda nunca entra no mercado livre. Findo o período de salvaguarda, que terminaria em 2017, a renda teria como máximo o 1/15 do valor patrimonial do imóvel. Ou seja, as rendas para este grupo de inquilinos nunca seriam realmente descongeladas. Os senhorios não só não podiam despejar idosos e deficientes como tinham um teto para o valor da renda.

O que muda agora é que se estende por mais cinco anos (e findos esses cinco anos se verá, claro - como acreditar que fique por aí?) o período transitório que a lei estabelecia, e durante o qual os inquilinos podiam alegar insuficiência económica e pagar um valor de renda baseado no respetivo rendimento anual bruto corrigido (RABC). Esta declaração de insuficiência económica, que pode ser requerida desde que o rendimento do agregado não exceda 2500 euros/mês (e muito pouca gente em Portugal tem rendimento superior a isso, logo, praticamente todos os inquilinos estão abrangidos), estabelece que a renda não pode ultrapassar 50 euros caso o RABC vá até 500 euros; é de 17% num RABC até 1500 euros e de 25% nos restantes casos. É esta renda, baseada no RABC, que PS, BE, PCP e Verdes querem manter por mais cinco anos.

Mas, ao contrário do que se pretende, não é para poupar os inquilinos que esta alteração é feita. O que estava na lei é que findos os cinco anos do período transitório passaria a ser o Estado a suprir a diferença entre a renda que inquilinos maiores de 65 e deficientes pagavam (com base no RABC) e aquela que passaria a vigorar (e que como já vimos tinha como limite máximo 1/15 do valor patrimonial). Exemplifique-se: a senhora X tem mais de 65 anos e habita num apartamento cujo valor patrimonial é 70 mil euros. Tem um RABC de 700 euros. O senhorio iniciou um processo de aumento da renda com base na lei, portanto a senhora X paga neste momento 119 euros. Findo o período de transição, a renda poderia aumentar, com base no valor patrimonial, para 389 euros. Sendo a diferença entre os dois valores de 270 euros, estes seriam suportados pelo Estado; a inquilina pagaria os mesmos 119 euros.

Compreende-se que seja chato orçamentar umas dezenas de milhões de euros - estima-se que haja 50 mil inquilinos que pediram certificado de insuficiência económica e o valor patrimonial médio é de 64 mil euros - com que o governo e os aliados de esquerda não contariam. É chato, é. Mas não é sério, não é decente impor a privados, e privados há muito sacrificados e sem poder (alguma vez ocorreu a alguém obrigar os bancos a cobrar prestações com base no rendimento de quem fez crédito à habitação?), que paguem a fatura dos bons sentimentos do Estado.

E, espantosamente, impõe-se tal benemerência sem nada em troca. Uma instituição privada de solidariedade social tem isenção de IMI. Um senhorio obrigado pelo Estado a ser santa casa dos seus inquilinos não vê qualquer desconto no seu IMI ou no IRS, nem tão pouco lhe são perdoadas quaisquer outras obrigações legais - se o inquilino lhe exigir obras de reabilitação, terá de fazê-las, mesmo que o dinheiro da renda não chegue para as pagar. Em lado algum se anota qualquer preocupação com a sua capacidade económica ou idade: por definição, o senhorio pode -- então, não é proprietário?

Acresce que a injustiça desta deliberação da esquerda unida não se esgota na forma como se obrigam os senhorios a fazer caridade à força; também no que respeita aos inquilinos há injustiça. Se um idoso com rendimento de 2500 euros por mês tem direito a renda duplamente congelada, alguém com menos de 65 anos (64, por exemplo) com rendimento de 500 euros pode, findo o período de transição, ser despejado ou confrontado com uma renda de mil. É isto "proteger os mais necessitados"?

E, por fim, as lojas históricas. A lei estabelece para os arrendamentos comerciais, durante o período de salvaguarda que o anterior governo fixara em cinco anos, uma renda máxima de 1/15 do valor patrimonial. Esse período terá sido agora prorrogado por mais cinco anos. Sendo as lojas históricas património das cidades e portanto do país, é bem que sejam protegidas - não por cinco anos, para sempre. Mas, mais uma vez, o que não se percebe nem se pode aceitar é que o bem de todos seja garantido pelo prejuízo de alguns, os proprietários das lojas. Que crime terão cometido, o de imaginar poder investir para ter rendimento?

Podem dar as voltas que quiserem, falar dos velhinhos e dos pobrezinhos e de histórias de fazer chorar as pedras da calçada; esta medida nada mais é que poupar dinheiro ao Estado impondo a privados um dízimo de solidariedade obrigatória - dízimo que estão a pagar há décadas. Trata-se de prolongar uma situação de injustiça e iniquidade que o atual primeiro-ministro caracterizou, em 2006, como "uma questão que tem seis décadas e que é responsável pela degradação do património imobiliário das cidades portuguesas, pelo abandono de imóveis e pelo clima de suspeita e desconfiança entre inquilinos e proprietários". Trata-se de o Estado alocar obrigações suas - proteção social e valorização do património classificado - a privados, sem prever disso qualquer compensação. Trata-se de demonstrar aos proprietários que o arrendamento de longa duração é uma aventura na qual não é boa ideia embarcarem - nunca mais. Trata-se daquilo que pode e deve ser descrito como a esquerda no seu pior. Que lástima.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".