Francisco no Chile e no Peru

1 Por ocasião da visita do Papa Francisco ao Chile e ao Peru, fui confrontado, lendo José Manuel Vidal, que cita um estudo de Latinobarómetro, com estatísticas temíveis quanto à situação da Igreja na América Latina. Os números mostram uma forte queda da Igreja Católica latino-americana devido à saída para as igrejas protestantes, no contexto da religião evangélica, e, num processo acelerado de secularização, para o agnosticismo e o ateísmo, como afirmou Marta Lagos, que dirigiu o estudo.

Os países com maior número de pessoas que se declaram católicas são Paraguai (89%), México (80%), Equador (77%), Peru (74%), Colômbia (73%) e Bolívia (73%). 65% dos inquiridos nos 18 países da América Latina dizem confiar na Igreja, sendo as nações onde tem mais crédito Honduras (78%), Paraguai (77%) e Guatemala (76%). No Chile, o número baixa para 36% e, segundo Marta Lagos, a quebra deve-se sobretudo aos abusos sexuais perpetrados pelo influente padre Fernando Karadima: antes desse escândalo, a confiança dos chilenos rondava os 69%, descendo abruptamente em 2011 para 38%.

O número de latino-americanos que se declaram católicos caiu paulatinamente nas duas últimas décadas: se em 1995 os católicos representavam 80%, esta percentagem baixou para 59% em 2017. Há sete países onde a população católica já representa menos de metade da população: República Dominicana (48%), Chile (45%), Guatemala (43%), Nicarágua (40%), El Salvador (39%), Uruguai (38%) e Honduras (37%). "A esta velocidade, daqui a dez anos os países da América Latina que terão a religião católica como religião dominante serão uma minoria." A eleição de Francisco em 2013 teve um "efeito positivo" e uma prova é que 60% dos chilenos reconheceram como "positiva" a visita que acaba de fazer ao país.

2 Nesta visita, que incluiu o Peru, Francisco anunciou por palavras e obras a mensagem de Jesus, na qual acredita em primeiro lugar para ele mesmo: o Evangelho da salvação, da alegria, da justiça, da paz, mensagem boa e felicitante, na vida e na morte, sentido último e salvação para todos os homens e mulheres. Porque é boa para ele, leva-a aos outros com a força do amor e da convicção.

Ainda na viagem, apelou para a eliminação das armas nucleares. "Tenho medo da guerra nuclear, estamos no limite."

Aos bispos e padres disse: "Não se tornem profissionais do sagrado, deixem-se aconselhar pelo Povo de Deus. Não caiam na tentação de uma autoridade que se converte em autoritarismo. Os leigos não são nossos empregados." E recomendou que é preciso saber "rir--se de si mesmo", para afugentar o perigo da "auto-referencialidade" e de "sentir-se superior aos outros".

Aos jovens deixou uma mensagem de ânimo, apelando a uma fé adulta e comprometida. "Amadurecer é fazer crescer os sonhos, não é aceitar a injustiça nem crer que nada podemos fazer." Sem entusiasmo, "sem a conexão com Jesus, acabamos por afogar as nossas ideias, os nossos sonhos, a nossa fé. E ficamos desconectados da realidade e do que está a acontecer no mundo".

Sempre ao lado dos pobres, denunciou "as novas formas de exploração": "Estejamos atentos à precarização do trabalho, que destrói vidas e lares, aos que se aproveitam da irregularidade de muitos migrantes porque não conhecem a língua ou não têm os papéis regularizados." Insiste sempre nos três "T": tecto, terra, trabalho. "Que a nossa solidariedade e o nosso compromisso com a justiça sejam parte do baile ou da canção que hoje pudermos cantar ao nosso Senhor Jesus." Nunca esquece o cancro da corrupção, "um vírus social, um fenómeno que infecta tudo, sendo os pobres e a mãe Terra os mais prejudicados".

Ergueu a voz contra o "feminicídio". "Não se pode praticar como "natural" a violência contra as mulheres." A visita às mulheres presas numa cadeia foi dos momentos mais emocionantes da visita. "Não podemos pensar numa cadeia sem a dimensão da reinserção. Se não houver esta esperança da reinserção, a cadeia é uma tortura infinita."

Contra a "cultura do descarte" e a "globalização da indiferença", clamou pela luta contra o tráfico de pessoas e "a escravatura. Escravatura para o trabalho, escravatura sexual, escravatura para o lucro". E combate "os falsos deuses, os ídolos da avareza, do dinheiro, do poder que tudo corrompem".

No encontro com povos da Amazónia - já convocou um sínodo especial para a Amazónia em 2019 -, denunciou a degradação da natureza, a exploração e os novos colonialismos dos povos indígenas, exigindo o respeito e a defesa pelas suas culturas e uma ecologia integral. Os indígenas são "memória viva da missão que Deus encomendou a todos: cuidar da Casa Comum". "É preciso que os povos originários moldem culturalmente as Igrejas locais amazónicas", para se formar "uma Igreja com rosto amazónico e uma Igreja com rosto indígena."

3 No Chile, onde, como ficou dito, grassou o escândalo dos abusos sexuais com menores e há forte contestação ao bispo Juan Barros por alegado encobrimento de pedófilos, Francisco recebeu vítimas, chorou com elas, manifestando "dor e vergonha".

Evidentemente, o Papa não pode estar informado de tudo o que realmente se passa na Igreja em cada país. De qualquer modo, o mínimo que se deve dizer é que o bispo não teve a discrição que se impunha. Já na viagem de regresso a Roma, Francisco pediu desculpa: "Peço desculpa, se com as minhas palavras sobre o caso Barros feri as vítimas de abusos."

Desta viagem, há muitas conclusões a tirar. Duas principais: contra uma Igreja piramidal e vertical, exige-se uma Igreja cada vez mais horizontal; depois, tolerância zero para a pedofilia, mas é urgente perceber que a pedofilia não é só um pecado, é também um crime e impõe-se agir em consequência.

Ler mais

Exclusivos