Francisco no Japão: é "imoral" o uso e a posse de armas nucleares

Francisco realizou o seu sonho de jovem: ser missionário no Japão. Foi de lá que, na semana passada, enviou para o mundo mensagens essenciais para o futuro da Humanidade.

1. Entre essas mensagens, clamou por uma "ecologia integral", atendendo, portanto, também à ecologia humana, que exige solidariedade; deixou claro que é necessário combater "o fosso crescente entre ricos e pobres"; "a dignidade humana deve estar no centro de toda a actividade social, económica e política, sendo necessário fomentar a solidariedade intergeracional"; "sabemos que, em última análise, a civilização de cada nação e povo não se mede pelo seu poder económico mas pela atenção que dedica aos necessitados, bem como pela capacidade de tornar-se fecundos e promotores da vida"; clamou contra "o eu isolado", contra o bullying e os excessos do consumismo compulsivo, pedindo concretamente aos bispos que ajudem os jovens contra o bullying e os suicídios, já que em cada ano no Japão 30 mil pessoas, na sua maioria jovens, acabam com a vida; advertiu contra o carreirismo, a competição excessiva na busca do lucro e da eficiência, o êxito a qualquer preço: "A liberdade pode ver-se asfixiada e debilitada quando ficamos encerrados no círculo vicioso da ansiedade e da competitividade, ou quando concentramos toda a nossa atenção e as melhores energias na procura sufocante e frenética de produtividade e consumismo como único critério para medir e validar as nossas opções e definir quem somos e quanto valemos"; apelou ao sentido do maravilhamento e da admiração frente "à imagem das cerejeiras em flor"; embora a Igreja Católica seja minoritária (menos de 0,5% da população, sendo a maioria dessa minoria constituída por trabalhadores estrangeiros), "isso não deve tirar força ao vosso compromisso com uma evangelização cuja palavra mais forte e clara é a de um testemunho humilde, quotidiano e de diálogo com outras tradições religiosas"; "o anúncio do Evangelho da Vida impele-nos e exige, como comunidade, que nos convertamos num hospital de campanha, preparado para curar feridas e oferecer sempre um caminho de reconciliação e perdão"; na Universidade Sophia de Tóquio, dos jesuítas, renovou as suas críticas ao "paradigma tecnocrático" ao mesmo tempo que pediu que "os grandes avanços tecnológicos de hoje possam colocar-se ao serviço de uma educação mais humana, justa e ecologicamente responsável".

2. Há muitos anos, encontrei-me em Paris, na sua casa, com o célebre filósofo Jean Guitton, e foi ali que eu percebi até ao mais fundo como, com o nuclear e as primeiras bombas atómicas lançadas sobre duas cidades do Japão, a Humanidade agora sabia o que é o Apocalipse no sentido da possibilidade do fim do mundo.

Foi com este propósito primeiro de pedir e exigir o desarmamento nuclear total, quando o mundo se confronta com nove mil armas nucleares prontas para serem disparadas, que Francisco pisou pela segunda vez território nipónico (a primeira aconteceu quando era provincial dos jesuítas na Argentina). Nas duas cidades, reiterou a exigência de que "nunca mais, na História da Humanidade, volte a acontecer a destruição gerada pelas bombas atómicas em Hiroxima e Nagasaki." Para isso, tem de haver uma tomada de consciência crescente de co-responsabilidade entre as nações. É preciso "recordar, caminhar juntos, proteger". Em Hiroxima, onde o relógio ainda marca as 8.15, a hora em que pela primeira vez caiu uma bomba atómica, que matou num instante 80 mil pessoas, foi claro: "O uso da energia atómica com fins de guerra é imoral. Seremos julgados por isto. As novas gerações levantar-se-ão como juízes da nossa derrota se falarmos da paz mas não a realizarmos com as nossas acções entre os povos da Terra." Dirigindo-se indirectamente aos nove países que detêm armamento atómico (Estados Unidos, Rússia, França, Inglaterra, Israel, China, Índia, Paquistão, Coreia do Norte), foi contundente, indo além da condenação do seu uso: "A posse e fabricação de armas atómicas é imoral", "um crime contra o futuro". Em Nagasaki, afirmou que a paz e a estabilidade internacional são incompatíveis com a tentativa de construir sobre o medo e o terror da mútua destruição ou sobre a ameaça da aniquilação total, adiantando que o dinheiro usado para armas nucleares teria excelente destino, se gasto em erradicar a pobreza. E chamou as fortunas gastas ou ganhas para fabricar, modernizar e vender armas cada vez mas destruidoras enquanto "milhões de crianças e famílias vivem em condições infra-humanas", um "atentado contínuo que brada aos céus".

Já de regresso a Roma, na habitual conferência de imprensa, voltou insistentemente ao tema, reiterando o dito no Japão, mas acrescentando que é doutrina que fará parte do Catecismo: "O uso de armas nucleares é imoral: isto deve ser incluído no Catecismo da Igreja Católica. E não só o uso, também a sua posse. Porque penso na loucura de um governante, na loucura de alguém que pode destruir a Humanidade. Pensemos no dito de Einstein: "A quarta guerra mundial far-se-á com paus e pedras." "Apelou a uma nova ordem mundial, na qual desapareça o "direito de veto" das cinco grandes potências (Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido e China) do Conselho de Segurança das Nações Unidas: "Talvez as Nações Unidas devessem dar um passo adiante, renunciando no Conselho de Segurança ao direito de veto de algumas nações. Não sou um técnico nisto, mas seria bom que todos tivessem o mesmo direito", lutando juntos contra o armamento.

E o direito à legítima defesa, quando um país é atacado por outro? "A paz hoje é muito débil, mas não se deve desanimar. A hipótese da legítima defesa permanece sempre, inclusivamente na Teologia moral deve ser contemplada, mas como último recurso. Acentuo: último recurso com as armas, a legítima defesa deve fazer-se com a diplomacia, com as mediações. Sublinho: último recurso. Estamos a avançar num progresso ético que a mim, ao questionar todas estas coisas, me dá muita alegria. Isto é belo: que a Humanidade também continue a progredir no e com o bem, não só com o mal."

Interrogado sobre a pena de morte, ainda vigente no Japão, respondeu: "Há quinze dias fiz um discurso à conferência de Direito Penal internacional e falei seriamente sobre o tema. A pena de morte não pode existir, não é moral. Inclusive quanto à prisão perpétua devemos pensar como o condenado perpétuo se pode reinserir, dentro ou fora. Dir-me-á: mas há condenados por um problema de loucura, doença, incorrigibilidade genética... Nessas circunstâncias, é preciso procurar o modo de terem actividades que os façam sentir pessoas. Em muitas partes do mundo, as cadeias estão superlotadas, são depósitos de carne humana, de tal modo que, em vez de crescer com saúde, muitas vezes os condenados corrompem-se."

Falando em corrupção, reconheceu que também existe no Vaticano, mas garantiu que os corruptos serão levados a julgamento. Agora, "o sistema de controlo do Vaticano funciona bem."

3. Nessa conferência de imprensa, reafirmou que "gostaria de ir a Pequim, eu amo a China".

Depois destas palavras, o governo chinês destacou o "gesto de boa vontade" de Francisco : a China "aprecia o gesto de boa vontade mostrado pelo Papa Francisco e está a aberta a intercâmbios com o Vaticano", referiu o porta-voz da chancelaria chinesa, citado pela versão em inglês do diário oficial Global Times.

Houve quem, por exemplo, o site Religión Digital, visse nesta declaração a possibilidade de uma futura visita do Papa a Pequim. É de notar que, ao sobrevoar o espaço aéreo da China e de Taiwan, Francisco utilizou termos diferentes: enviou saudações à "nação" da China, mas saudações ao "povo" de Taiwan e referiu-se a Hong Kong como "território".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG