Cessar-fogo no Médio Oriente

Após três dias de destruição, bombardeamentos e assassinatos, Israel e a organização extremista armada palestina Jihad Islâmica, incluída na lista de organizações terroristas dos EUA e da UE, chegaram ao cessar-fogo. Os mediadores foram representantes do Egito e do Qatar, como é habitual neste tipo de situações. Ambos os ladosisrael-Palest estão a ameaçar retomar as suas ações se o outro lado não honrar o acordo.

O resultado do recente conflito foi mais de 40 pessoas mortas na Faixa de Gaza, algumas delas crianças, muitos feridos, muita destruição e parte da liderança da Jihad Islâmica eliminada. Centenas de mísseis foram disparados contra o território israelita a partir de Gaza, mas nada de importante foi atingido. Aviões israelitas conseguem atacar vários alvos na Faixa de Gaza, matando alguns líderes da Jihad Islâmica, destruindo fábricas de armas e locais de lançamento de mísseis.

Do lado israelita, o governo interino liderado pelo primeiro-ministro Yair Lapid, mostrou ao povo local capacidade de agir de forma decisiva e perseguir a liderança da Jihad Islâmica ao estilo dos EUA, como estes fizeram recentemente no Afeganistão. Também o sistema de defesa "Iron Dome" provou novamente ser como um guarda-chuva de segurança muito eficaz para os civis israelitas (cerca de 96% de sucesso), o que definitivamente influenciará o apoio local aos políticos e especialmente ao Exército. Além disso, não houve baixas graves do lado israelita e todo o conflito foi interrompido a tempo de evitar que isso acontecesse.

Além disso, os israelitas obviamente conseguem criar uma espécie de caos na Jihad Islâmica, que não podia responder a ataques com nada perto de ser perigoso para os cidadãos israelitas. Eles sofreram destruição de várias maneiras e, o que é muito importante, ficaram sem apoio do Hamas, que governa Gaza e tem muito mais força militar.

Em suma, é claro que a Jihad Islâmica não teve outra opção a não ser aceitar a pressão egípcia e do Qatar para parar de lançar mísseis contra alvos civis israelitas, sem nenhum apoio externo, exceto teoricamente do Irão, que tem os seus próprios interesses no momento em que negoceia a renovação do acordo nuclear com as grandes potências.

Outro fator decisivo foi a situação económica na Faixa de Gaza, a falta de combustível e eletricidade, a revogação das autorizações de trabalho para os seus cidadãos que estavam empregados no território de Israel e o caos total de segurança que provaria que a Jihad Islâmica não é capaz de defender o povo de Gaza nem de lhe facilitar a vida.

A questão é, como sempre, se todo o episódio vai influenciar o cenário político israelita, se vai obter mais apoio para a coligação que ainda está no poder em Jerusalém, ou se o campo de Netanyahu vai beneficiar disso mais uma vez. Ainda falta tempo para as eleições de 1 de novembro em Israel e, até lá, muitas coisas podem acontecer, como sempre. A paz, é claro, não está no horizonte, ninguém está a pensar nisso e não é um problema para as próximas eleições. A situação está a mudar, mas não tão dramaticamente que possa criar uma atmosfera para novas negociações, independentemente dos Acordos de Abraão (entre Israel, Emirados Árabes Unidos e Bahrein) e mudanças na atitude de alguns Estados árabes em relação a Israel e à cooperação entre eles.

A vida em Gaza e também na região fronteiriça com a Faixa de Gaza do lado israelita, é muito afetada pela violência, criando talvez mais pedidos de vingança do que de paz duradoura. A Jihad Islâmica está definitivamente enfraquecida e isso é o resultado dos últimos três dias da campanha militar de Israel.


Investigador do ISCTE-IUL
e antigo embaixador da Sérvia em Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG