A crise da fome global está aí

Os preços globais dos alimentos estão a subir. O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação - que cobre um cesto de alimentos básicos (cereais, carnes, laticínios, óleos vegetais e açúcar) - atingiu uma alta histórica de 159,7 em março, face a 141,1 no mês anterior. Embora tenha baixado ligeiramente em abril, para 158,5, a situação atual - como a guerra da Rússia na Ucrânia - devem continuar a elevar os preços para novos máximos, com implicações devastadoras para a fome global.

A pandemia de covid-19 expôs a fragilidade e a disfuncionalidade dos sistemas alimentares do mundo, com restrições de movimento e interrupções na cadeia de abastecimentos fazendo subir os preços, prejudicando os meios de subsistência rurais e exacerbando a insegurança alimentar, especialmente para os pobres. Agora, a guerra na Ucrânia está a agravar esses desafios, porque ambos os lados são grandes exportadores de alimentos, combustível e fertilizantes.

Além disso, as alterações climáticas representam uma ameaça ainda maior à segurança alimentar global. O clima extremo, como ondas de calor, inundações e secas prolongadas, já provocou choques na produção agrícola e na disponibilidade de alimentos. À medida que as temperaturas aumentam, esses choques tornar-se-ão cada vez mais frequentes e poderosos. Se o aquecimento global ultrapassar o limite de 1,5° Celsius (em relação à temperatura pré-industrial da Terra), eles tornar-se-ão provavelmente catastróficos.

Como mostra o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, evitar o limite exigirá uma ação imediata e drástica. Mas a mitigação é apenas parte do desafio. Também serão necessários investimentos em larga escala na adaptação para proteger comunidades vulneráveis do aquecimento que já está em curso.

A pobreza e a fome podem levar os agricultores a utilizar em demasia os frágeis recursos ambientais para garantir a sua sobrevivência a curto prazo.

Mesmo sob o cenário de mitigação mais otimista, espera-se que o aquecimento global atinja o limite de 1,5°C numa década, antes de retroceder. Isso resultará em mudanças nas zonas climáticas, subida do nível do mar e interrupções no ciclo da água que aumentam a frequência e a intensidade do clima extremo. Além de aumentar os riscos económicos e de saúde, as interrupções resultantes no abastecimento de alimentos e água provavelmente causarão convulsões sociais e políticas, alimentando um ciclo vicioso de pobreza, fome, instabilidade e até conflito, acompanhado por um aumento acentuado da migração.

Um sistema alimentar mais resiliente, sustentável e equitativo deve ser um pilar de qualquer agenda de mitigação ou adaptação climática. Mas as barreiras para a construção de tal sistema não devem ser subestimadas, especialmente para países e regiões onde o solo é pobre, a terra tem pouco valor agrícola, outros recursos naturais, como a água, são limitados ou degradados e as condições socioeconómicas são difíceis.

Dada a baixa produtividade das suas terras agrícolas, esses ambientes marginais são incapazes de suportar a produção sustentável de alimentos suficientes para atender às necessidades nutricionais da população local. De facto, enquanto os ambientes marginais abrigam menos de 25% da população global - cerca de 1,7 mil milhões de pessoas - eles representam 70% dos pobres do mundo e a maioria dos desnutridos.

A pobreza e a fome podem levar os agricultores a utilizar em demasia os frágeis recursos ambientais para garantir a sua sobrevivência a curto prazo, mesmo à custa do esgotamento a longo prazo das suas terras e do empobrecimento das suas famílias e comunidades. Aqueles que vivem em áreas remotas com infraestruturas mínimas, poucas oportunidades económicas alternativas e acesso limitado ao mercado são particularmente propensos a fazer essas escolhas.

Assim, os países com terras marginais significativas dependem da importação de alimentos - em alguns casos para mais de 80% das suas necessidades. Mas as interrupções relacionadas com a pandemia e a guerra, juntamente com os aumentos de preços que aquelas provocaram, mostraram o quão vulneráveis são esses países. De acordo com o relatório sobre a Situação da Alimentação e Agricultura 2021 da FAO, mais 161 milhões de pessoas foram afetadas pela fome em 2020, em comparação com 2019. E o Programa Alimentar Mundial está a alertar agora que a combinação de conflito, covid, crise climática e aumento de custos levou 44 milhões de pessoas em 38 países até à beira da fome.

Com os países a lutarem para garantir alimentos suficientes para atender às necessidades nutricionais das suas populações, muitos estão agora a reavaliar as suas dependências alimentares e a procurar expandir a produção local. Mas, a menos que a sustentabilidade seja levada em consideração, os esforços para aumentar a resiliência de curto prazo, encurtando as cadeias de abastecimentos, podem minar a resiliência de médio e longo prazo, esgotando ainda mais os recursos agrícolas, como solo e água.

A sustentabilidade não é barata. A produção eficiente no meio de restrições biofísicas e climáticas requer investimento em tecnologias caras. Mas estruturas de governação deficientes, perspetivas de crescimento limitadas e dívidas elevadas representam grandes desafios para muitos países. A pandemia colocou uma pressão enorme nos orçamentos públicos e as crises da dívida surgem para muitos governos, à medida que vencem os empréstimos contraídos para lidar com a pandemia.

Não se pode esperar que os países pobres e vulneráveis resolvam os inúmeros desafios interligados que enfrentam, desde a poluição e perda de biodiversidade até fome e pobreza, sem ajuda. Para reforçar a segurança alimentar e nutricional de longo prazo, devemos olhar além das soluções nacionais para soluções regionais e internacionais que considerem as necessidades das comunidades que vivem em ambientes marginais. Caso contrário, não haverá como escapar aos ciclos desestabilizadores de fome, migração e violência.

Seta Tutundjian, fundadora e CEO da Thriving Solutions, é membro do Grupo de Peritos de Alto Nível para avaliar a necessidade da Plataforma Internacional para a Ciência de Sistemas Alimentares e co-líder da iniciativa global Alimento Nunca é Desperdício.

© Project Syndicate, 2022.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG