Nicolás Maduro diz que foi o primeiro a dar o voto pela paz e soberania do país

Presidente venezuelano votou poucos minutos depois das 06:00 horas locais. Foi o primeiro a fazê-lo

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, foi o primeiro a votar para as eleições da Assembleia Nacional Constituinte, declarando que quis ser o primeiro a dar o voto pela paz, soberania e independência da Venezuela.

"Quis ser o primeiro a dar o voto para a paz, a soberania e a independência da Venezuela (...). Hoje é um dia histórico", disse Maduro depois de votar diante de alguns convidados internacionais que foram convidados pelo Conselho Nacional de Eleições (CNE) para observar o sufrágio.

Maduro votou poucos minutos depois das 06:00 horas locais (11:00 horas em Lisboa), sendo que o seu voto transmitido pela televisão estatal venezuelana VTV, que logo passou imagens do arranque das votações em vários centros eleitorais no interior do país.

O segundo voto do dia foi o da primeira-dama, Cilia Flores, também candidata à Assembleia Nacional Constituinte.

O Presidente também reiterou o convite aos venezuelanos para votarem "com fé, esperança e amor", buscando "a reconciliação, a justiça, a verdade e para superar os problemas" da Venezuela.

"Peço a Deus todas as bênçãos para que o povo possa exercer livremente o seu direito democrático", adiantou hoje Maduro, em alusão a todos os planos ativados pelo CNE para fazer frente ao que qualificam como "ameaças antidemocráticas" dos opositores à Constituinte.

"Oxalá o mundo abra os seus olhos sobre a nossa amada Venezuela, apaguem toda a sua campanha imperial que se fez e estendam as suas mãos", referiu Maduro, que vê na Assembleia Nacional Constituinte um "superpoder que vai poder reencontrar o espírito nacional".

O Presidente declarou que a Venezuela é "um país em paz, exercendo o seu direito de voto".

São chamados a votar mais de 19,8 milhões de venezuelanos nestas eleições.

Segundo dados do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) foram admitidas 6.120 candidaturas que disputam 545 cargos a eleger, 8 deles em representação indígena. Do total das candidaturas, 3.546 são por representação territorial e 2.574 de âmbito setorial ou local.

A convocatória para a Assembleia Constituinte foi feita a 01 de maio pelo Presidente, Nicolás Maduro, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A oposição venezuelana, que decidiu não participar nas eleições, acusa Nicolás Maduro de pretender usar a reforma para instaurar no país um regime cubano e perseguir, deter e calar as vozes dissidentes.

Segundo o ministro venezuelano do Interior e Justiça, Néstor Reverol, foram instalados 96 pontos para denúncias sobre delitos eleitorais.

Para as eleições, o Conselho Nacional Eleitoral ativou 24.139 mesas, ao longo dos 335 municípios da Venezuela, em 14.515 centros eleitorais.

Cento e quarenta e dois mil funcionários dos organismos de segurança estão encarregados de vigiar os centros eleitorais e as Forças Armadas ativaram várias zonas de proteção especial temporária, desde as 00:01 horas de sexta-feira, até às 23:50 horas da terça-feira, 01 de agosto.

O encerramento dos centros está previsto para as 18:00 horas locais (23:00 em Lisboa), se não houverem eleitores em fila para votar.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...