"Perguntei quantos vão morrer?" Trump explica porque travou o ataque ao Irão

Presidente dos EUA explicou no Twitter a sua decisão de travar, no ultimo minuto, um ataque contra o Irão depois de este ter abatido um drone americano, aumentando a tensão entre os dois países.

Horas depois de o The New York Times ter avançado que Donald Trump tinha decidido travar à última hora um ataque militar contra o Irão, o próprio presidente americano recorreu ao Twitter para confirmar essa informação. A tensão entre EUA e Irão subiu um nível com a divulgação, na quinta-feira, de que os iranianos abaterem um drone norte-americano no estreito de Ormuz.

"Estávamos prontinhos para retaliar na noite passada em três sítios diferentes quando eu perguntei, quantos vão morrer? 150, sir, foi a resposta de um general. 10 minutos antes do ataque mandei parar - não era proporcional com o derrube de um drone", escreveu Trump numa série de tweets.

O presidente garante ainda que "não estou com pressa. As nossas forças armadas estão renovadas e prontas para avançar, de longe as melhores do mundo. As sanções estão a morder-lhes e foram anunciadas mais na noite passada. O Irão não pode NUNCA ter armas nucleares, nem contra os EUA, nem contra o MUNDO!".

Segundo o The New York Times, os ataques americanos teriam como alvos radares iranianos e baterias de mísseis. O mesmo jornal garantiu que "os aviões estavam no ar e os navios em posição, mas nenhum míssil tinha sido disparado quando surgiu a ordem para parar tudo".

A decisão de cancelar o ataque surgiu depois de um dia de encontros entre Trump e os seus principais conselheiros e líderes políticos americanos. Se o secretário da Defesa Mike Pompeo e o Conselheiro para a Segurança Nacional John Bolton defendiam uma linha dura, os líderes do Congresso terão aconselhado Trump a ter calma, segundo a AP.

Os Guardas da Revolução do Irão anunciaram na quinta-feira terem abatido um avião não tripulado norte-americano, em violação do espaço aéreo no sul do país, numa nova escalada de tensão entre Washington e Teerão. Os EUA confirmaram ter perdido o aparelho, mas alegam que este estava em espaço aéreo internacional, sobre o estreito de Ormuz.

De acordo com a Press TV, o canal de informação em inglês da televisão estatal iraniana, um modelo Global Hawk, da empresa norte-americana Northrop Grumman, "foi abatido pela força aérea" de Teerão, na província costeira de Hormozgan, no sul do Irão.

A agência de notícias iraniana Tasnim cita o comandante da Força Aeroespacial, Amir Ali Hajizadeh, afirmando que o drone recebeu um alerta dez minutos antes de ser abatido. Hajizadeh garantiu ainda à mesma agências que algumas partes do drone foram recuperadas em águas territoriais iranianas. A Tasnim mostrou o que diz serem imagens dos destroços do aparelho:

Trump reagiu no Twitter logo na quinta-feira afirmando que o Irão "cometeu um grande erro".

Este incidente ocorre num contexto de fortes tensões entre o Irão e os Estados Unidos e depois de, na passada quinta-feira, dois petroleiros, um norueguês e um japonês, terem sido foram alvo de ataques no estreito de Ormuz.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras