Partido ultra conservador na Polónia à beira do melhor resultado de sempre

As projeções à boca da urna das eleições na Polónia indicam que o partido do governo, o ultra conservador Lei e Justiça, deverá obter 43,6 % dos votos, que a verificar-se será o melhor resultado de sempre.

As primeiras projeções das eleições para o parlamento polaco, realizadas este domingo, indicam que o partido que está no governo, o ultra conservador e eurocético Lei e Justiça (PiS) deverá receber 43,6% dos votos. A pesquisa realizada à boca das urnas sugere que o partido garantiu o seu melhor resultado na votação para a assembleia nacional de todos os tempos.

Com aquela percentagem, o partido liderado por Jaroslaw Kaczynski , ficará com 239 deputados, garantido a maioria absoluta dos 460 políticos que constituem o parlamento polaco.

A Coligação Cívica Eleitoral (KO) e de oposição ao PSI ficará em segundo lugar, com 27,4% dos eleitores, devendo conquistar 130 lugares, seguidos pela esquerda (11,9 % e 43 deputados), que volta ao parlamento depois de não ter eleito nenhum candidato nas ultimas eleições.

O Partido Popular Unido (PSL) em coligação com o partido antissistema Kukiz'15 deverá obter 9,6 % dos votos e ficar com 34 deputados.

A Confederação, composta pela direita antissistema, ultraliberais e nacionalistas anti-imigrantes, deverá entrar no parlamento, uma vez que se prevê conquistar 6,4 % dos eleitores e 11 deputados.

As sondagens já indicavam que o partido de Jaroslaw Kaczynski e de Mateusz Morawiecki, o atual primeiro-ministro, iria obter um melhor resultado do que em 2015, quando ganhou as eleições com 37 % dos votos, o que lhe permite governar sozinho.

Trinta milhões de eleitores foram chamados a votar este domingo na Polónia, para eleger 460 deputados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.