Partido ultra conservador na Polónia à beira do melhor resultado de sempre

As projeções à boca da urna das eleições na Polónia indicam que o partido do governo, o ultra conservador Lei e Justiça, deverá obter 43,6 % dos votos, que a verificar-se será o melhor resultado de sempre.

As primeiras projeções das eleições para o parlamento polaco, realizadas este domingo, indicam que o partido que está no governo, o ultra conservador e eurocético Lei e Justiça (PiS) deverá receber 43,6% dos votos. A pesquisa realizada à boca das urnas sugere que o partido garantiu o seu melhor resultado na votação para a assembleia nacional de todos os tempos.

Com aquela percentagem, o partido liderado por Jaroslaw Kaczynski , ficará com 239 deputados, garantido a maioria absoluta dos 460 políticos que constituem o parlamento polaco.

A Coligação Cívica Eleitoral (KO) e de oposição ao PSI ficará em segundo lugar, com 27,4% dos eleitores, devendo conquistar 130 lugares, seguidos pela esquerda (11,9 % e 43 deputados), que volta ao parlamento depois de não ter eleito nenhum candidato nas ultimas eleições.

O Partido Popular Unido (PSL) em coligação com o partido antissistema Kukiz'15 deverá obter 9,6 % dos votos e ficar com 34 deputados.

A Confederação, composta pela direita antissistema, ultraliberais e nacionalistas anti-imigrantes, deverá entrar no parlamento, uma vez que se prevê conquistar 6,4 % dos eleitores e 11 deputados.

As sondagens já indicavam que o partido de Jaroslaw Kaczynski e de Mateusz Morawiecki, o atual primeiro-ministro, iria obter um melhor resultado do que em 2015, quando ganhou as eleições com 37 % dos votos, o que lhe permite governar sozinho.

Trinta milhões de eleitores foram chamados a votar este domingo na Polónia, para eleger 460 deputados.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.