Mijas. Burros táxis deixam de transportar turistas com mais de 80 kg

Direitos e bem-estar dos animais levam à criação de normas naquele município da província espanhola de Málaga. Burros vão ter horários de trabalho e de descanso.

Os burros táxis são uma atração turística de Mijas, província de Málaga, no sul de Espanha. Mas agora foram definidas novas regras que têm em conta os direitos e o bem-estar destes animais. A começar por deixarem de transportar pessoas com mais de 80 quilos nos passeios históricos de 15 minutos pelo centro da cidade. Passam também a ter horários de trabalho, com horas estabelecidas para descansar.

Segundo Nicolás Cruz (PSOE), do Conselho de Transportes e Mobilidade Urbana, as normas anteriores estavam desatualizadas e foi preciso adaptá-la às diretivas europeias em matéria de proteção animal.

Ao mesmo tempo, é uma resposta a alguns turistas e residentes que criticam esta atividade. "A norma também é importante para mostrar uma sociedade moderna de respeito pelo bem-estar animal", refere, citado pelo El País.

As novas regras, que deverão ser aprovadas no início de 2020, estabelecem horários de trabalho rígidos - das 09.00 às 18 horas no outono e no inverno e das 08.30 e 21.30 na primavera e no verão com uma pausa para descanso antes das 17.00 e por turnos. Ou seja, explica Nicolás Cruz, os animais que trabalhem de manhã não poderão fazê-lo à tarde, e vive-versa.

Os burros só podem ingressar nesta atividade turística se tiverem mais de 3 anos.

Mas há outras melhorias previstas na vida dos burros de Mijas. Como as condições dos estábulos, que terão de ter obrigatoriamente um espaço digno que lhes permita deitar-se, brincar e correr.

Os animais devem ainda ter acesso a água 24 horas por dia e as rédeas devem ter pelo menos 30 centímetros para poderem mexer a cabeça e assim afugentarem as moscas.

Francisco Javier Lara, do Colégio de Advogados de Málaga e um dos impulsionadores da iniciativa, diz que estas regras "já se cumpriam mais ou menos, mas agora têm uma base normativa, portanto sancionável". As multas podem oscilar entre 750 e 3000 euros.

O município de Mijas já prometeu aumentar a fiscalização e o controlo veterinário.

Atualmente, os passeios de 15 minutos custam 15 euros.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...