Israel ataca postos militares na Faixa da Gaza em resposta a projéteis

Confrontos acontecem um dia depois de os EUA terem reconhecido Jerusalém como a capital de Israel

A artilharia e a aviação israelitas atacaram esta quinta-feira infraestruturas militares da Faixa de Gaza, em resposta a projéteis lançados sobre o território israelita, um dia depois de os EUA terem reconhecido Jerusalém como capital do Estado hebreu.

O exército israelita revelou que as ações militares visaram "dois pontos militares" na faixa de Gaza, em retaliação aos três projéteis lançados sobre Israel.

Um dos projéteis caiu em território israelita, enquanto os outros dois no enclave palestino fronteiriço ao sul de Israel, comunicou o exército, que considerou o Hamas "responsável por atividades hostis perpetradas contra Israel a partir de Gaza".

Os lançamentos dos projéteis foram realizados no mesmo dia em que milhares de palestinianos protestaram contra a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciada na quarta-feira, de reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

Muitos palestinianos aproximaram-se da fronteira de Gaza para protestar contra a decisão de Trump, que também envolve a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém, e que motivaram uma intervenção das forças armadas israelitas.

O porta-voz do serviço de emergências, Erab Fuqaha, referiu que 24 palestinianos ficaram feridos em incidentes com soldados israelitas, que utilizaram balas reais e de borracha.

Fuqaha revelou que foram assistidas 108 pessoas, entre as quais 77 por inalação de gás lacrimogéneo, cinco com ferimentos provocados por balas reais, 19 em consequência de terem sido atingidos por balas de borracha e os restantes devido a golpes e contusões.

Ismail Haniyeh, líder político do movimento islâmico, pediu hoje, em Gaza, o início da terceira intifada e advertiu que Trump "se arrependeria de sua decisão" e pediu um encontro entre todas as partes palestinianas para discutir a situação e concordar as medidas políticas a seguir em relação aos eventos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.