EUA prometem consequências se vice-presidente do Parlamento continuar detido

Edgar Zambrano anunciou via Twitter que foi detido quarta-feira pelos serviços secretos do regime de Nicolás Maduro.

A embaixada virtual dos EUA em Caracas advertiu as autoridades venezuelanas, através das redes sociais, de que "haverá consequências" se o vice-presidente da Assembleia Nacional, Edgar Zambrano, continuar detido.

A conta oficial da embaixada dos EUA no Twitter - usada pelo presidente Donald Trump para anunciar medidas ou demitir membros da sua administração - é administrada a partir de Washington pelo Departamento de Estado.

"A detenção arbitrária de Edgar Zambrano pelas forças de segurança opressivas de [Nicolás] Maduro é ilegal e imperdoável", escreveu quarta-feira a embaixada, cuja sede está na capital norte-americana.

"Se ele não for libertado imediatamente, haverá consequências", advertiu o Departamento de Estado - quando, escreve esta quinta-feira o Washington Post, o presidente Donald Trump está a questionar a "estratégia agressiva" da sua própria Administração para a Venezuela, numa lógica intervencionista contrária à sua posição isolacionista dos EUA.

Membros do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (Sebin, serviços secretos) detiveram quarta-feira o vice-presidente da Assembleia Nacional (AN, dominada pela oposição), anunciou Zambrano, na sua conta do Twitter.

"Fomos surpreendidos pelo Sebin, como nos negámos a sair da nossa viatura usaram uma grua para transportar-nos de maneira forçada diretamente ao Helicoide [prisão do Sebin]. Nós, democratas, vamos continuar a lutar", escreveu o parlamentar.

Numa outra mensagem, publicada na mesma rede momentos antes, o deputado alertava o povo venezuelano de que se encontrava dentro da sua viatura, junto da sede do seu partido, a Ação Democrática, em La Florida (centro-leste de Caracas), "cercados pelo Sebin".

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela acusou o vice-presidente do parlamento de vários crimes, como traição à pátria e conspiração, por ter apoiado uma tentativa de golpe de Estado contra o chefe de Estado, Nicolás Maduro.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da AN, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Guaidó, de 35 anos, contou de imediato com o apoio de mais de 50 países, incluindo os EUA e a maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, que reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Nicolás Maduro, de 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada por Washington.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, de acordo com dados da ONU.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.