Um mar de plástico na praia da República Dominicana

Em apenas três dias foram recolhidas 30 toneladas de plástico na praia de Montesinos, em Santo Domingo.

As imagens que habitualmente nos chegam da República Dominicana são de praias paradisíacas, mas nos últimos dias a realidade mostrou-se bem diferente. Uma equipa da ONG Parley Oceans, que se dedica à conservação dos oceanos, registou e divulgou um vídeo com os detritos que deram à costa na praia de Montesinos, em Santo Domingo. Um manto de lixo a boiar no mar trazido por uma tempestade tropical.

ONG trabalhou com elementos da marinha, das forças armadas e funcionários públicos - cerca de 500 - e recolheu 30 toneladas de plástico em apenas três dias. "Precisamos de uma onda de mudança e uma revolução material", pede a Parley Oceans.

"No passado enviávamos postais de praias mágicas e palmeiras. Agora, são ondas de resíduos plásticos. A menos que façamos alguma coisa agora, a geração futura não irá acreditar que os cenários dos postais alguma vez tenham existido. Estamos a pedir uma Revolução Material - o plástico tem de desaparecer", defende Cyrill Gutsch, fundador da Parley.

A organização está a transformar o plástico recolhido em produtos de consumo, uma forma de alertar para a poluição nos oceanos e para a necessidade de eliminar o desperdício de plástico.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.