Trump ao Irão: "Não voltem a ameaçar os Estados Unidos"

O presidente norte-americano, Donald Trump, advertiu no domingo o Irão para que "nunca volte a ameaçar os Estados Unidos" sob pena de "consequências tais como poucos conheceram ao longo da história".

"Não voltem a ameaçar os Estados Unidos ou sofrerão consequências tais como poucos conheceram ao longo da história", escreveu Trump na rede Twitter, numa mensagem dirigida ao Presidente iraniano, Hassan Rouhani, toda redigida em maiúsculas.

"Já não somos um país que apoie as vossas palavras dementes de violência e de morte. Cuidado!", acrescentou.

Esta mensagem foi publicada depois de Rouhani ter avisado o presidente dos Estados Unidos para "não puxar os bigodes do tigre", garantindo que um conflito com o Irão seria a "mãe de todas as guerras".

Estas disputas verbais lembram as mensagens entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, antes de as tensões terem dado lugar a uma cimeira histórica entre os dois homens, a 12 de junho passado, em Singapura.

Desde a aproximação inesperada com a Coreia do Norte, Trump fez do Irão o seu principal 'cavalo de batalha'.

Também no domingo, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, tinha afirmado que Washington não tinha medo de impor sanções "ao mais alto nível" ao regime de Teerão.

Num discurso perante a diáspora iraniana na Califórnia, Pompeo confirmou que Washington quer que todos os países reduzam as suas importações de petróleo iraniano até "perto de zero", até 4 de novembro, caso contrário enfrentarão sanções dos Estados Unidos.

O presidente norte-americano anunciou a saída dos EUA do acordo internacional de 2015, que foi assinado com o objetivo de impedir que o Irão adquirisse armas nucleares, e o regresso das sanções norte-americanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".