Torra ameaça paralisar a Catalunha se Supremo não absolver independentistas catalães

No aniversário da declaração falhada de independência na Catalunha, o atual presidente da Generalitat, Quim Torra, avisou que exige a absolvição dos 18 independentistas catalães que o Supremo Tribunal de Espanha decidiu esta semana levar a julgamento a partir do início do próximo ano

O presidente do governo autónomo catalão, Quim Torra, afirmou este sábado que a absolvição é o único resultado que aceitará do julgamento a que vão ser submetidos, pelo Supremo Tribunal espanhol, os 18 independentistas catalães acusados na sequência da organização do referendo ilegal sobre a independência da Catalunha a 1 de outubro de 2017.

Dos 18 acusado, oito deles estão presos, entre os quais o ex-vice-presidente da Generalitat e líder do partido Esquerda Republicana da Catalunha, Oriol Junqueras, há já mais de um ano. O julgamento anunciado esta semana por aquele tribunal terá previsivelmente início no começo do próximo ano de 2019.

"Voltar atrás não é uma opção. Não aceitarei outra sentença que não seja a absolvição total. Se houver condenações, irão enfrentar a determinação do 1 de outubro e do 3 de outubro", disse Quim Torra, numa mensagem televisionada, referindo-se ao referendo ilegal sobre o estabelecimento de uma República da Catalunha independente de Espanha, mas também aos protestos, aos confrontos e à greve de dois dias que se seguiram àquela consulta popular.

Torra, sucessor de Carles Puigdemont, que não está preso porque fugiu para a Bélgica, admitiu que a declaração unilateral da independência catalã "não correu como queríamos" por culpa da "máquina repressiva" do Estado espanhol. Assinalando um ano da declaração da independência, Torra sublinhou que esta tem "um mandato democrático do povo" da Catalunha e que este "tem direito à autodeterminação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.