Talíria Petrone. Herdeira política de Marielle ameaçada de morte

"Além de me chamarem "preta nojenta", falam em bomba na sede do partido", diz a vereadora, também negra e do PSOL, ao DN. "Ela era minha irmã de vida, de luta e de alma".

No início de 2016, num café de Niterói, cidade separada do Rio de Janeiro pela baía de Guanabara, Talíria Petrone e Marielle Franco decidiram, com uma cerveja à frente, para Talíria, e uma água, para Marielle, concorrer às eleições municipais de meses depois. Talíria, que seria a recordista de votos em Niterói, já estava com a campanha em marcha. Marielle, que se tornaria a quinta mais votada no Rio, ainda hesitava. "Mas eu preciso que você tope", lembra-se Talíria de dizer, olhos no olhos, a Marielle.

Ao longo da aventura juntas na política, Talíria, quando se sentia mais cansada de ser chamada de "preta nojenta" e "vagabunda", de ouvir "mas que cabelo é esse?" e de ser mandada "de volta para a senzala" nas redes sociais, teve momentos de desconsolo. "Mas ela sempre chegava em mim, me dava um tapa nas costas e dizia "bora negona, a vida é dura baby" para me fortalecer", lembra Talíria. Por isso, no último sábado, três dias após a execução da amiga no centro do Rio, a vereadora de Niterói reagiu finalmente ao ocorrido escrevendo "e agora, quem vai me dar coragem, quem vai chorar comigo dores tão parecidas e entender exatamente tudo o que explode no peito?".

"Era uma irmã de política, de vida, de luta e de alma", diz, entre uma reunião municipal e outra, ao DN. Talíria Petrone, 32 anos, professora de História, nascida em Niterói numa família de classe média-baixa, filha de professora e músico, conheceu Marielle no Complexo da Maré, onde deu aulas.

Voleibol nos Açores

Antes, porém, fez um parêntesis de dois anos: tornou-se jogadora de voleibol profissional e arriscou jogar no Clube Desportivo Ribeirense, da ilha do Pico, nos Açores. "Morei lá dois anos, joguei no Ribeirense mas voltei porque acreditei que o meu futuro seria dar aulas, sobretudo em comunidades, como a Maré, onde a educação é ainda mais transformadora."

Talíria e Marielle filiaram-se, entretanto, no Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e passaram a defender juntas, uma de cada lado da ponte que une Rio e Niterói, as comunidades negras e faveladas e as causas feminista e LGBT. Uma vez eleita, conta, passou a sofrer as maiores ofensas da sua vida: "Os tais "negra nojenta, que cabelo é esse e volta para a senzala" são típicos nas redes sociais."

Na Câmara Municipal, onde é a única mulher, os duelos com o vereador Carlos Jordy, do Partido Social Cristão, apoiante do deputado e militar Jair Bolsonaro, pré-candidato presidencial pelo Partido Social Liberal, são frequentes. "Num país historicamente chefiado pelos barões do café, tradicionalmente escravocrata e ferozmente patriarcal é normal que vozes como a da Marielle e a minha incomodem", desabafa.

Quando Talíria subiu à tribuna para chamar de "chacina" a morte de oito pessoas, após 35 tiros disparados pelas costas durante intervenção do exército em São Gonçalo, cidade vizinha, a tensão cresceu: Jordy acusou-a de defender bandidos e ela acusou o estado de matar inocentes.

"A cada três mortes violentas em Niterói uma é cometida pela polícia, o estado mata muito e mata sobretudo negros", justifica a vereadora. "Há 36% da população da cidade que se diz negra mas os assassinados negros são 70%..."

Queixa na polícia

Entre os insultos de internet e os debates políticos, também há registo de ameaças de morte: "Ameaçaram colocar uma bomba na sede do PSOL em Niterói por telefone e informámos a delegacia." Segundo a BBC Brasil, a polícia ouviu um suspeito nesta semana. Como Marielle foi assassinada sem sequer receber ameaças, o partido equaciona pedir escolta para Talíria.

E agora, sem Marielle, como vai ser a luta pelos direitos humanos e minorias no Rio de Janeiro, em Niterói, no Brasil? Talíria não perde a esperança: "Apesar da extrema-direita, de Bolsonaro e de Jordy, ter crescido muito, um fenómeno que não é exclusivamente brasileiro, como se sabe, acredito que a grande maioria deste país é progressista, somos muitos mais os que lutamos pela dignidade dos oprimidos, como ela lutou, do que os outros, a voz dela não se calará jamais."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.