A fundação para eliminar tabaco do mundo? OMS diz que é fachada

OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

Quando a Philip Morris International, uma das maiores tabaqueiras do mundo, anunciou este mês a criação de uma fundação para ajudar pessoas a deixarem de fumar, vários ativistas contra o tabaco receberam a notícia com ceticismo. Hoje, a Organização Mundial de Saúde aconselhou os governos de todo o mundo a não colaborarem com a Foundation for a Smoke-Free World, pois esta engana o público, "sugerindo que alguns produtos com tabaco são menos prejudiciais do que outros".

A criação da Foundation for a Smoke-Free World foi anunciada a 13 de setembro. A empresa que fabrica os cigarros Marlboro prometeu investir 80 milhões de dólares anualmente, durante 12 anos, na fundação sem fins lucrativos que tem como objetivo "liminar o tabaco no mundo".

Ora, a OMS cita o secretário-geral da ONU, António Guterres, e fala de um "conflito de interesses crítico entre a indústria de tabaco e a saúde pública". Num comunicado, a OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

"A indústria do tabaco e os seus grupos de fachada têm enganado o público sobre os riscos associados a outros produtos de tabaco", diz a OMS. A fundação faz "marketing de produtos de tabaco de formas que enganam, sugerindo que alguns produtos de tabaco são menos prejudiciais do que outros", continua o comunicado.

A ideia terá surgido porque a Philip Morris International quer focar-se "em substituir os cigarros por produtos sem fumo, de maneira a oferecer uma alternativa aos fumadores", como explicou o CEO André Calantzopoulos.

Contudo, críticos como a OMS, vêm a Foundation for a Smoke-Free World como uma forma de a empresa promover cigarros eletrónicos e outros produtos como alternativa ao tabaco, prometendo menos riscos para a saúde, quando não há estudos suficientes que o comprovem.

"A OMS não vai apoiar a fundação. Governos não deviam apoiar a fundação e a comunidade de saúde pública devia seguir esta recomendação", continua a agência da Organização das Nações Unidas dedicada à saúde.

O líder da Foundation for a Smoke-Free World é Derek Yach, um ex-alto dirigente da Organização Mundial de Saúde (OMS) que esteve por detrás da Convenção Quadro para o Consumo de Tabaco da OMS, ainda em vigor. Este foi o primeiro tratado internacional sobre o tabaco e exige, por exemplo, a proibição da publicidade, a promoção e o patrocínio de produtos de tabaco e a proibição de venda de tabaco a menores.

"Para muitos, isto irá levantar muitas preocupações, tendo em conta o meu passado e a posição da Philip Morris International sobre o tabaco", disse Yach, segundo o The Guardian.

No site, a Foundation for a Smoke-Free World diz ainda querer amenizar o impacto da diminuição do consumo de tabaco nos produtores de tabaco das zonas rurais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.