A fundação para eliminar tabaco do mundo? OMS diz que é fachada

OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

Quando a Philip Morris International, uma das maiores tabaqueiras do mundo, anunciou este mês a criação de uma fundação para ajudar pessoas a deixarem de fumar, vários ativistas contra o tabaco receberam a notícia com ceticismo. Hoje, a Organização Mundial de Saúde aconselhou os governos de todo o mundo a não colaborarem com a Foundation for a Smoke-Free World, pois esta engana o público, "sugerindo que alguns produtos com tabaco são menos prejudiciais do que outros".

A criação da Foundation for a Smoke-Free World foi anunciada a 13 de setembro. A empresa que fabrica os cigarros Marlboro prometeu investir 80 milhões de dólares anualmente, durante 12 anos, na fundação sem fins lucrativos que tem como objetivo "liminar o tabaco no mundo".

Ora, a OMS cita o secretário-geral da ONU, António Guterres, e fala de um "conflito de interesses crítico entre a indústria de tabaco e a saúde pública". Num comunicado, a OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

"A indústria do tabaco e os seus grupos de fachada têm enganado o público sobre os riscos associados a outros produtos de tabaco", diz a OMS. A fundação faz "marketing de produtos de tabaco de formas que enganam, sugerindo que alguns produtos de tabaco são menos prejudiciais do que outros", continua o comunicado.

A ideia terá surgido porque a Philip Morris International quer focar-se "em substituir os cigarros por produtos sem fumo, de maneira a oferecer uma alternativa aos fumadores", como explicou o CEO André Calantzopoulos.

Contudo, críticos como a OMS, vêm a Foundation for a Smoke-Free World como uma forma de a empresa promover cigarros eletrónicos e outros produtos como alternativa ao tabaco, prometendo menos riscos para a saúde, quando não há estudos suficientes que o comprovem.

"A OMS não vai apoiar a fundação. Governos não deviam apoiar a fundação e a comunidade de saúde pública devia seguir esta recomendação", continua a agência da Organização das Nações Unidas dedicada à saúde.

O líder da Foundation for a Smoke-Free World é Derek Yach, um ex-alto dirigente da Organização Mundial de Saúde (OMS) que esteve por detrás da Convenção Quadro para o Consumo de Tabaco da OMS, ainda em vigor. Este foi o primeiro tratado internacional sobre o tabaco e exige, por exemplo, a proibição da publicidade, a promoção e o patrocínio de produtos de tabaco e a proibição de venda de tabaco a menores.

"Para muitos, isto irá levantar muitas preocupações, tendo em conta o meu passado e a posição da Philip Morris International sobre o tabaco", disse Yach, segundo o The Guardian.

No site, a Foundation for a Smoke-Free World diz ainda querer amenizar o impacto da diminuição do consumo de tabaco nos produtores de tabaco das zonas rurais.

Ler mais