A fundação para eliminar tabaco do mundo? OMS diz que é fachada

OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

Quando a Philip Morris International, uma das maiores tabaqueiras do mundo, anunciou este mês a criação de uma fundação para ajudar pessoas a deixarem de fumar, vários ativistas contra o tabaco receberam a notícia com ceticismo. Hoje, a Organização Mundial de Saúde aconselhou os governos de todo o mundo a não colaborarem com a Foundation for a Smoke-Free World, pois esta engana o público, "sugerindo que alguns produtos com tabaco são menos prejudiciais do que outros".

A criação da Foundation for a Smoke-Free World foi anunciada a 13 de setembro. A empresa que fabrica os cigarros Marlboro prometeu investir 80 milhões de dólares anualmente, durante 12 anos, na fundação sem fins lucrativos que tem como objetivo "liminar o tabaco no mundo".

Ora, a OMS cita o secretário-geral da ONU, António Guterres, e fala de um "conflito de interesses crítico entre a indústria de tabaco e a saúde pública". Num comunicado, a OMS aconselha governos a não apoiarem esta fundação.

"A indústria do tabaco e os seus grupos de fachada têm enganado o público sobre os riscos associados a outros produtos de tabaco", diz a OMS. A fundação faz "marketing de produtos de tabaco de formas que enganam, sugerindo que alguns produtos de tabaco são menos prejudiciais do que outros", continua o comunicado.

A ideia terá surgido porque a Philip Morris International quer focar-se "em substituir os cigarros por produtos sem fumo, de maneira a oferecer uma alternativa aos fumadores", como explicou o CEO André Calantzopoulos.

Contudo, críticos como a OMS, vêm a Foundation for a Smoke-Free World como uma forma de a empresa promover cigarros eletrónicos e outros produtos como alternativa ao tabaco, prometendo menos riscos para a saúde, quando não há estudos suficientes que o comprovem.

"A OMS não vai apoiar a fundação. Governos não deviam apoiar a fundação e a comunidade de saúde pública devia seguir esta recomendação", continua a agência da Organização das Nações Unidas dedicada à saúde.

O líder da Foundation for a Smoke-Free World é Derek Yach, um ex-alto dirigente da Organização Mundial de Saúde (OMS) que esteve por detrás da Convenção Quadro para o Consumo de Tabaco da OMS, ainda em vigor. Este foi o primeiro tratado internacional sobre o tabaco e exige, por exemplo, a proibição da publicidade, a promoção e o patrocínio de produtos de tabaco e a proibição de venda de tabaco a menores.

"Para muitos, isto irá levantar muitas preocupações, tendo em conta o meu passado e a posição da Philip Morris International sobre o tabaco", disse Yach, segundo o The Guardian.

No site, a Foundation for a Smoke-Free World diz ainda querer amenizar o impacto da diminuição do consumo de tabaco nos produtores de tabaco das zonas rurais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.