Suspeito de atropelamento no parlamento britânico acusado de tentativa de homicídio

Salih Khater, de 29 anos e de origem sudanesa, é suspeito dos crimes de tentativa de homicídio de agentes da autoridade e tentativa de homicídio de cidadãos.

O condutor de um carro que atropelou várias pessoas na terça-feira junto ao parlamento britânico, em Londres, foi acusado de tentativa de homicídio, disse fonte policial. Segundo a polícia metropolitana da capital do Reino Unido, Salih Khater, de 29 anos e de origem sudanesa, é suspeito dos crimes de tentativa de homicídio de agentes da autoridade e tentativa de homicídio de cidadãos.

Três pessoas ficaram feridas, embora já tenham tido alta hospitalar, quando o veículo conduzido por Khater, que vai ser presente a tribunal na segunda-feira, atingiu um grupo de ciclistas e, depois, o posto de segurança que fica nas imediações de Westminster.

O incidente ocorreu menos de ano e meio após outro indivíduo ter lançado um carro contra transeuntes a pé na Ponte de Westminster, provocando quarto mortes antes de esfaquear um polícia, que viria a morrer também, e ser então abatido a tiro.

Menos de três meses depois uma carrinha também atropelou cidadãos em London Bridge. Três indivíduos que ocupavam o veículo atacaram em seguida diversas pessoas em Borough Market, resultando oito mortos e 48 feridos.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.