Secretário de Bento XVI diz que abusos sexuais são o 11 de Setembro da Igreja

Georg Gaenswein fiz que a "catástrofe" da Igreja Católica "não está associada a uma única data, mas a muitos dias, a muitos anos e a incontáveis vítimas"

O arcebispo Georg Gaenswein, secretário do papa emérito Bento XVI, considerou esta terça-feira que o abuso sexual cometido por padres contra crianças durante anos é o "11 de setembro da Igreja Católica.

"Hoje é 11 de setembro, data de um desastre apocalíptico, e da Igreja, no turbilhão de notícias nas últimas semanas", disse o arcebispo, em referência ao abuso sexual.

"No entanto (a nossa catástrofe) não está associada a uma única data, mas a muitos dias, a muitos anos e a incontáveis vítimas", acrescentou o "homem forte" do Vaticano durante o pontificado do papa Ratzinger.

Gaenswein usou a comparação entre os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos e o "terremoto" na Igreja Católica criado pelas revelações sobre décadas de abuso sexual durante a apresentação hoje do livro "A opção Bento" de Rod Dreher, que decorreu no parlamento italiano.

"Ninguém atacou a Igreja de Cristo com aviões cheios de passageiros. A Basílica de São Pedro ainda está de pé", disse adiantando, contudo que as notícias recentes deram conta de quantas pessoas foram irremediavelmente feridas por sacerdotes da Igreja Católica.

O arcebispo referia-se às conclusões do Supremo Tribunal da Pensilvânia (EUA) que documenta 300 casos de padres abusadores em seis dioceses e identifica cerca de 1.000 crianças vítimas.

Gaenswein defendeu o papel do papa Bento XVI na luta contra estes casos que durante o seu pontificado descreveu os abusos do clero como um ataque à Igreja vindo de dentro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.