Ataques de Trump aos media estão próximos de "incitação à violência"

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, o jordano Zeid Ra'ad al-Hussein, critica presidente dos EUA, considerando que a sua retórica ecoa a das piores eras do século XX, que antecederam as duas guerras mundiais.

A duas semanas do final do seu mandato como alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein não poupou críticas ao presidente norte-americano, Donald Trump. O jordano considera que a sua retórica anti-media - ao apelidar os jornalistas de "inimigos do povo" - ou contra os migrantes e as minorias é comparável à que existia no século XX, antes do início das duas guerras mundiais.

"Começámos a ver uma campanha contra os media... que poderia potencialmente, e ainda pode, desencadear uma cadeia de eventos que poderá facilmente levar a agressões contra os jornalistas que estão apenas a fazer o seu trabalho e levar potencialmente a autocensura", disse o responsável dos Direitos Humanos numa entrevista ao The Guardian . "E, nesse contexto, está muito próximo de incitação à violência", acrescentou.

O príncipe e diplomata jordano diz que Trump já está a servir de exemplo a outros líderes que estão a atacar os media como até agora não ousavam. Zeid Ra'ad al-Hussein deu o exemplo do líder cambojano, Hun Sen, que usou uma linguagem semelhante à do presidente norte-americano para fechas media independentes. "Os EUA criam um efeito de contágio, que é captado por outros países onde a liderança tende a ser mais autoritária no caráter ou aspira a ser autoritária", afirmou.

E criticou também a retórica contra os migrantes e as minorias. "Quando a linguagem é usada de uma forma que enfoca grupos de pessoas que tradicionalmente sofreram muito com fanatismo, preconceito e chauvinismo, leva-nos a um período não há muito tempo no século XX, quando os sentimentos foram alimentados, dirigidos a um grupo vulnerável no século XX, quando os sentimentos foram alimentados, dirigidos a um grupo vulnerável por causa do ganho político", afirmou, dizendo que se estava a referir ao período antes da primeira guerra mundial e à década de 1930.

Este não é a primeira vez que o jordano, que será substituído em setembro pela ex-presidente chilena Michelle Bachelet à frente dos Direitos Humanos da ONU, critica a falta de importância que Trump este dá a este tema. "A Administração Trump parece ter-se separado de anteriores administrações na sua defesa dos direitos humanos em todo o mundo", lembrando que o país saiu do Conselho de Direitos Humanos em Genebra. Isso "foi ilustrativo da falta de qualquer compromisso profundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)