Resultado final: Hillary teve mais quase 2,9 milhões de votos que Trump

É a maior margem de votação popular alguma vez conseguida por um candidato presidencial perdedor

A candidata presidencial democrata Hillary Clinton conseguiu mais quase 2,9 milhões de votos do que o Presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, segundo dados finais hoje divulgados pela agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP).

É a maior margem de votação popular alguma vez conseguida por um candidato presidencial perdedor.

De acordo com a AP, os resultados certificados dos 50 Estados norte-americanos federais e do distrito de Columbia (onde está localizada a capital federal Washington) mostram que Clinton conseguiu quase 65.844.610 milhões de votos (48%) e Trump cerca de 62.979.636 milhões de votos (46%).

Hillary Clinton é o quinto candidato presidencial na história dos Estados Unidos que ganha o voto popular mas que perde o Colégio Eleitoral, o processo que integra 538 "grandes eleitores", representativos dos Estados norte-americanos, e que é responsável pela eleição do Presidente.

Um desses casos foi o do também democrata Al Gore, que recebeu mais 540.000 votos populares do que o republicano George W. Bush, que seria confirmado pelo Colégio Eleitoral como chefe de Estado.

Foram muitos os americanos que defenderam que o Colégio devia declarar a candidata Hillary Clinton como vencedora, por causa da discrepância do voto popular, e questionaram a própria validade democrática deste processo.

Os esforços nesse sentido falharam e na passada segunda-feira os "grandes eleitores" reuniram-se nas respetivas capitais estaduais e confirmaram Trump como Presidente.

Com estes votos contabilizados, Trump angariou a maioria dos "grandes eleitores", 304, e Hillary Clinton 227.

Para ser o Presidente eleito, o vencedor tem de conseguir, no mínimo, 270 "grandes eleitores".

Nove dias depois da votação dos "grandes eleitores", a 28 de dezembro, o presidente do Senado e outros responsáveis federais e estaduais devem ter "os certificados de voto" em mãos.

A 06 de janeiro, o Congresso reúne-se numa sessão conjunta para contar os votos. Desta vez, o ainda vice-presidente americano, Joe Biden, na qualidade de presidente do Senado, irá presidir a sessão. Os votos de cada Estado são abertos e registados por ordem alfabética. Biden anuncia então os resultados e declara os nomes do novo Presidente e do novo vice-presidente.

Donald Trump, o 45.º presidente dos Estados Unidos, será empossado a 20 de janeiro numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.