Reino Unido sai da União Europeia às 23.00 do dia 29 de março de 2019

A revelação foi feita pela primeira-ministra britânica Theresa May num artigo publicado esta sexta-feira no Daily Telegraph

A saída do Reino Unido da União Europeia vai acontecer às 23.00 do dia 29 de março de 2019, disse esta sexta-feira a primeira-ministra britânica, Theresa May.

A data anunciada está incluída no projeto de lei sobre a saída do Reino Unido da União Europeia e que será debatido numa sessão no parlamento britânico agendada para a próxima semana e que deve autorizar o Brexit.

Theresa May, num artigo publicado hoje no jornal Daily Telegraph, escreve que a decisão em informar sobre o exato momento em que o Brexit é aplicado tem como objetivo demonstrar a "determinação" do governo em completar "o processo" de retirada da União Europeia.

"Que ninguém duvide da nossa determinação ou questione as nossas intenções sobre o processo", escreve a primeira-ministra.

"A data vai ficar escrita 'preto no branco' no topo deste texto legislativo. O Reino Unido vai sair da União Europeia no dia 29 de março de 2019, às 23.00", acrescenta Theresa May.

O texto que vai ser debatido na próxima semana tem como título "Projeto de Lei sobre a Retirada da União Europeia" e vai ser discutido em sede de comissão parlamentar, esperando-se algumas emendas ao texto.

May alerta que "as pessoas esperam que os políticos se unam" no sentido de conseguirem um bom acordo com a União Europeia.

A chefe do executivo diz também que está disposta a escutar as propostas parlamentares para "melhorar o projeto de lei", mas refere que não aceita as tentativas que possam travar o processo.

"Não vamos tolerar tentativas de onde quer que seja e que venham a utilizar o processo de alterações ao projeto de lei como forma de bloqueio da vontade democrática do povo britânico, tentando atrasar ou obstaculizar a nossa saída da União Europeia", avisa.

A primeira-ministra frisa que o projeto legislativo é "fundamental" para a obtenção de "um 'Brexit' correto e ordenado".

Ao fim de seis rondas negociais entre Londres e Bruxelas ainda foram alcançados avanços significativos sobre os termos exatos da retirada do país, facto que está a gerar incerteza junto das empresas e dos cidadãos comunitários que se encontram no Reino Unido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.