Rajoy anuncia saída da liderança do PP

Ex-primeiro-ministro pede a convocação de um congresso para eleger o sucessor.

"Chegou o momento de pôr um ponto final nesta viagem", disse Mariano Rajoy, anunciando que vai deixar a presidência do partido. "É o melhor para mim e para o Partido Popular. Ou melhor, é o melhor para o Partido Popular e para mim. E além disso para Espanha", acrescentou num discurso diante do Comité Executivo Nacional.

O ex-primeiro-ministro, afastado da liderança do governo graças a uma moção de censura, propõe a realização de uma junta diretiva para convocar o Congresso que "abra uma nova etapa no nosso partido para uma nova direção". Rajoy indicou que ficará à frente do partido, que lidera há 14 anos, até ser eleito o seu substituto.

Entre os nomes que se fala está o da antiga número dois de Rajoy no governo, a ex-vice-presidente Soraya Sáenz de Santamaria, a secretaria-geral do PP e ex-ministra da Defesa, Maria Dolores Cospedal, ou o presidente do governo galego, Alberto Núñez Feijóo.

"Durante 37 anos servi o partido em todo o tipo de cargos, de militante de base a presidente. Nunca pedi um cargo, nem lutei para afastar ninguém. Chegou o momento de pôr fim a esta etapa", afirmou Rajoy, deixando claro que não fará qualquer alteração, nem no partido, nem nos grupos parlamentares, deixando essa tarefa para o sucessor.

"Continuarei convosco, porque não imagino a minha vida fora do PP. Não vou entregar o cartão de militante", referiu Rajoy, que a determinado momento se emocionou e que recebeu uma ovação dos presentes. "Tenho consciência da lealdade enorme de todos. Foi incrível", dizia, quando a emoção lhe toldou a voz. Os presentes aplaudiram-no.

"Agora o que é preciso é olhar para o futuro", dissera antes Rajoy. "Continuamos a ser o maior partido de Espanha, ganhámos as três últimas eleições, contamos com a maior bancada no Congresso e no Senado, temos dirigentes preparados, temos uma militância como nenhuma outra, e por isso não há motivos para desânimo", indicou.

Em relação ao governo do socialista Pedro Sánchez, disse que nasce com "debilidade extrema" e com "péssimos companheiros de viagem", numa referência ao apoio do Unidos Podemos e dos independentistas catalães e nacionalistas bascos que precisou para vencer a moção de censura, lançada após a sentença do caso Gurtel, segundo a qual o PP teria sido financiado pelo esquema de corrupção que envolvia vários empresários e dirigentes partidários.

"Hoje governa em Espanha quem nunca ganhou umas eleições gerais, o que supõe um grave precedente. E para o fazer, está acompanhado de independentistas e da esquerda radical e populista. É um projeto débil, incerto e instável", avisou.

"Defendi a minha honra e a deste partido. Saímos deixando o maior pacote completo de leis contra a corrupção. Tentei ser justo, proteger o bom nome do nosso partido, assumi os meus erros e os que não eram meus e muitas vezes calei-me para não ajudar nesta campanha para liquidar a presunção de inocência de muitas pessoas", explicou. "Atuámos contra a corrupção, melhorámos as leis e os procedimentos, mas não me pus à ordem dos inquisidores, que os houve e muito ativos", referiu.

"Temos que defender a nossa gestão da tarefa de demolição que nos anunciaram. Este governo vai ter uma oposição forte à frente da qual está o PP", afirmou Rajoy.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.