Presidente filipino dedica canção de amor a Donald Trump

"Você é a luz do meu mundo", cantou Rodrigo Duterte ao presidente norte-americano, num dueto com a diva filipina Pilita Corrales. A música foi a pedido de Donald Trump

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, cantou uma famosa canção de amor ao homólogo norte-americano, durante uma gala em Manila para líderes de toda a Ásia, admitindo depois que tinha sido a pedido de Donald Trump.

Ambos os presidentes participavam este domingo na cimeira anual, que reuniu 19 líderes quando, a certa altura, Duterte agarrou no microfone e cantou: "Você é a luz do meu mundo, metade do meu coração", em dueto com a diva filipina Pilita Corrales. "Senhoras e senhores, cantei sem ser convidado, às ordens do comandante em chefe dos EUA", justificou.

Duterte, que tem sido apelidado de "Trump do Este", por causa do seu estilou impulsivo, deverá reunir com Trump esta segunda-feira, à margem da cimeira. Os Estados Unidos e sua antiga colónia, as Filipinas, foram aliados estratégicos desde a Segunda Guerra Mundial. As suas relações, no entanto, têm sido tensas devido às posições pró-Rússia e pró-China da parte de Duterte.

Mais de 3.900 filipinos foram mortos na "guerra" contra drogas que Duterte declarou quando assumiu o cargo no ano passado. O governo diz que a polícia atua em defesa própria, mas os críticos dizem que são execuções sem responsabilidade.

Duterte afirmou na semana passada que dirá ao presidente dos Estados Unidos que se "demita" se ele levantar a questão dos direitos humanos quando se encontrarem. Mas Trump, que foi criticado em casa por negligenciar questões de direitos humanos no exterior, elogiou Duterte em maio por fazer um "trabalho inacreditável no problema da droga".

Com Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.