Presidente filipino dedica canção de amor a Donald Trump

"Você é a luz do meu mundo", cantou Rodrigo Duterte ao presidente norte-americano, num dueto com a diva filipina Pilita Corrales. A música foi a pedido de Donald Trump

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, cantou uma famosa canção de amor ao homólogo norte-americano, durante uma gala em Manila para líderes de toda a Ásia, admitindo depois que tinha sido a pedido de Donald Trump.

Ambos os presidentes participavam este domingo na cimeira anual, que reuniu 19 líderes quando, a certa altura, Duterte agarrou no microfone e cantou: "Você é a luz do meu mundo, metade do meu coração", em dueto com a diva filipina Pilita Corrales. "Senhoras e senhores, cantei sem ser convidado, às ordens do comandante em chefe dos EUA", justificou.

Duterte, que tem sido apelidado de "Trump do Este", por causa do seu estilou impulsivo, deverá reunir com Trump esta segunda-feira, à margem da cimeira. Os Estados Unidos e sua antiga colónia, as Filipinas, foram aliados estratégicos desde a Segunda Guerra Mundial. As suas relações, no entanto, têm sido tensas devido às posições pró-Rússia e pró-China da parte de Duterte.

Mais de 3.900 filipinos foram mortos na "guerra" contra drogas que Duterte declarou quando assumiu o cargo no ano passado. O governo diz que a polícia atua em defesa própria, mas os críticos dizem que são execuções sem responsabilidade.

Duterte afirmou na semana passada que dirá ao presidente dos Estados Unidos que se "demita" se ele levantar a questão dos direitos humanos quando se encontrarem. Mas Trump, que foi criticado em casa por negligenciar questões de direitos humanos no exterior, elogiou Duterte em maio por fazer um "trabalho inacreditável no problema da droga".

Com Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.