Omar al-Bashir abandona o poder no Sudão depois de 30 anos

Depois de quatro meses de protestos no país contra a política de Omar al-Bashir, militares assumiram o poder e o ex-presidente está detido em casa. Anunciado período de transição de dois anos.

O presidente do Sudão Omar al-Bashir abandonou o cargo após 30 anos de poder e quatro meses de protestos. O ministro da defesa sudanês Awad Ibn Ouf anunciou na televisão nacional uim período de transição de dois anos, ao qual se seguirão eleições. Fontes do governo anunciaram que as forças armadas vão fazer "uma declaração importante" na manhã desta quinta-feira.

Trinta anos depois de ter tomado posse como presidente Omar al-Bashir não resistiu às manifestações que foram tendo lugar nos últimos meses contra a política do seu governo. Agora, estará detido em casa segundo noticia a estação de televisão norte-americana CNN.

Este anúncio surgiu pouco antes de nova manifestação na capital do Sudão, Cartum. A organização do protesto têm apelado à união da população desde o fim de semana.

Agora, as forças armadas controlarão as principais vias rodoviárias e pontes do país, existindo uma movimentação constante dos militares, segundo os media internacionais.

Durante a manhã desta quinta-feira, a rádio sudanesa apenas divulga marchas militares e a televisão anunciou uma "declaração importante das forças armadas". Os protestos contra a política de Omar al-Bashir, que está acusado pelo Tribunal Penal Internacional de genocídio no Darfur, provocaram desde sábado 22 mortos na sequência de confrontos entre forças de segurança sudanesas e os manifestantes.

Até agora al-Bashir tinha recusado renunciar ao governo do país, alegando que a oposição devia tentar ganhar eleições para assumir o poder.

em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".